Tabuleiro de Frango, Cogumelos e Alho Francês com Cobertura de Batata Crocante


Foi um excelente fim de semana. Com um workshop maravilhoso e muito divertido, onde nem sequer se dá pelas horas a passar. E um sábado em família e a aproveitar ao máximos os miúdos que crescem demasiado depressa para nosso gosto.
Reconheço que não há nada melhor do que poder desfrutar de pequenos prazeres da vida, de ser feliz com coisas simples, de perceber que nem sempre é preciso muito para nos sentirmos bem.
A ver se me lembro, em dias menos bons, das pequenas coisas que me deixam grata, em vez de resmungar e de me queixar. Porque na realidade queixo-me de quê? Pois.....
Aos fins de semana deliciosos que nos deixam de coração cheio e prontos a enfrentar uma nova semana com uma atitude muito positiva!
E deixo-vos esta receita que espero que também vos deixe felizes e positivos o resto da semana!

Ingredientes para 3 pessoas:

3 batatas médias (tb podem usar batata doce)
2 coxas de frango (podem usar sobras de frango)
15 cogumelos
2 alho franceses pequenos
1 dente de alho
1 cenoura
1 raminho de salsa
sal e pimenta q.b.
75ml de natas
azeite q.b.

Preparação:

Comece por cozinhar as coxas de frango. Leve ao lume um tacho com água e tempere-a de sal e pimenta. Junte as coxas de frango, a rama do alho francês, a cenoura descascada e a salsa. Leve a cozinhar em lume brando até o frango estar cozinhado.
Retire depois as coxas de frango, desfie-as e reserve. Coe o caldo e corte a cenoura em cubos, descartando o resto.
Lamine os cogumelos e o alho francês e lave-os bem para retirar todas as impurezas.
Leve uma frigideira ao lume com um pouco de azeite e acrescente o alho laminado. Quando começar a querer fritar junte o alho francês e os cogumelos e deixe saltear um pouco até estar macios. Tempere de sal e pimenta e regue com um pouco do caldo reservado. Deixe cozinhar até o caldo evaporar. Acrescente depois o frango desfiado, e a cenoura em cubinhos e envolva bem. Acrescente as natas, mexa e retifique de sal e pimenta.
Coloque esta mistura no fundo de um tabuleiro ou pirex que possa ir ao forno. 
Entretanto descasque as batatas e corte-as em rodelas não muito finas. Disponha-as sobre a mistura de frango e legumes e tempere com um pouco de sal e pimenta e regue com um fio de azeite. Leve ao forno previamente aquecido a 200ºC, com o grill ligado e deixe cozinhar e tostar as batatas.
Sirva com uma salada.


Bom Apetite!

Muffins de Banana, Passas e Mel


Gosto de rotinas. E gosto desta rotina de fazer bolos à sexta feira, para o fim de semana.
Entretanto tenho um pequeno Zé Maria que, apesar de (ainda?) não ligar a outras guloseimas ou sobremesas, é um rapazinho que gosta de bolo caseiro. E, nos últimos meses, temos-lhe dado a provar - desde que ele peça - os diferentes bolos que vamos fazendo em casa. E ele também já sabe se, alguém faz anos, é sinal de bolo e, em muitos casos também nos pede um bocadinho. E nós damos. Com conta peso e medida.
Como já sei que ele gosta de comer bolo tenho procurado algumas receitas de bolo diferentes, mais “saudáveis” e com algumas alternativas ao açúcar. Não o faço sempre, mas acabo a ter alguma curiosidade de também experimentar essas receitas. 
Não o faço apenas por causa dele. Como sabem, nunca fiz bolos ou bolachas “adaptados” a crianças e bebés - e continuo sem o fazer, porque acho que, mesmo adaptados e mais saudáveis, continuam a ser identificados pelas crianças como bolos e bolachas. E, até uma certa idade, eles não sabem a diferença entre esses bolos e bolachas e os normais. No meu caso - e é uma opção pessoal, não é uma critica ou um julgamento dos outros - passamos apenas por não lhes oferecer esses alimentos. Á medida que vai crescendo é normal que esteja mais curioso em relação a alguns alimentos - principalmente os bolos, porque é o que faço com mais regularidade. (Como disse aqui muitas vezes, não fazia nem faz parte dos meus planos negar para sempre aos meus filhos bolos, açúcar e doces. Mas sim mostrar-lhe outras alternativas, e outros alimentos, de modo a que percebam que os bolos são nos dias de aniversário ou ao fim de semana. E é isso que está a acontecer. E agora, de vez em quando o pequeno lá vai comendo um pouco de bolo - e gosta, claro!, quem não gosta?! Quanto ao resto das guloseimas e afins continua sem identificar - como as gomas, rebuçados, chupas, chocolates, refrigerantes e sumos de compra. cereais de pequeno almoço. Porque nós não compramos e não consumimos habitualmente.
Não sei como vai ser daqui para a frente, mas pelo menos até ao momento tem sido natural não comer certas coisas. Um passo de cada vez.)
Estes muffins, que adaptei de uma receita da revista delicious pareceram-me interessantes, uma vez que não tinham açúcar refinado adicionado, apenas um pouco de mel e a banana, naturalmente doce. Ficaram aprovados por todos. E de vez em quando um bolo diferente e mais “saudável”, é benéfico para todos e uma boa partilha!
Bom fim de semana!

Ingredientes para 12 muffins:

200g de farinha integral
50g de flocos de aveia finos
1e1/2 colher de chá de fermento em pó
1e1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio
70g de passas
2 ovos
100ml de azeite
100g de iogurte natural
2 bananas maduras
2 colheres de sopa de mel

Preparação:

Numa taça misture a farinha com a aveia, o fermento, o bicarbonato e as passas. Numa outra taça misture os ovos com o azeite, o iogurte, as bananas previamente esmagadas e o mel.
Misture os ingredientes líquidos com os ingredientes secos e mexa com a ajuda de uma colher de pau. Atenção que os muffins não se devem misturar em demasia para não ficarem massudos.
Forre depois um tabuleiro de queques com forminhas de papel frisado, e divida a massa pelas forminhas, polvilhando com um pouco mais de flocos de aveia.
Leve a cozinhar em forno previamente aquecido a 180ºC  durante cerca de 25 minutos, ou até estarem cozinhados.


Bom Apetite!

Panquecas de Carnes Frias (receita também em video)


Nem só de panquecas doces de vive aqui em casa! 
Aos sábados e feriados, é sagrado. Há quase sempre panquecas para o pequeno almoço, até porque o Zé Maria não se esquece. Faço umas com banana, ovo e linhaça ou aveia ou coco, que tanto ele como também o António adoram. O Zé gosta das delas com iogurte e frutos vermelhos, mas o António come-as simples.
Mesmo em dias de brunch caseiro, as panquecas dos miúdos podem ser doces, mas faço muitas vezes para nós em versão salgada. São perfeitas para aproveitamento de carnes frias e até fazem uma refeição mais simples acompanhadas com uma salada ou até legumes salteados.
Aqui fica então - e também em vídeo - a versão dessas panquecas salgadas.



Ingredientes para 2 pessoas (4 panquecas):

100g de carnes frias cortadas em pedaços
sal e pimenta q.b.
1 ovo
60ml de leite
5 colheres de sopa bem cheias de farinha
1/2 colher de chá de fermento em pó
1 colher de sopa de manteiga

Preparação:

Numa taça misture a farinha com o sal e pimenta e o fermento. Acrescente depois o ovo e o leite e misture bem até obter uma massa lisa e sem grumos.
Leve ao lume uma frigideira anti aderente grande e junte a manteiga, deixando derreter. Divida a mistura por 4 montinhos, de modo a formar 4 panquecas. Divida a carne em pedaços pelas 4 panquecas e quando começar a ver bolhinhas a formar à superfície vire as panquecas e deixe que cozinhem do outro lado.
Sirva com legumes salteados ou com uma salada verde.


Bom Apetite!

Batata Assada com Bolonhesa de Atum


Tenho recebido muitos mails acerca do planeamento de refeições que tenho falado bastante no economia cá de casa. Mails de pessoas que, pelas minhas partilhas se passaram a organizar melhor, e passaram a ter mais tempo e menos correrias na hora de preparar as refeições.
Nem imaginam como fico grata pelas vossas palavras. É sempre bom saber que inspiramos outros, mas mais do que isso, que conseguimos melhorar a vida de algumas pessoas apenas porque mostramos a “nossa” maneira de fazer as coisas.
Gosto muito de saber que há quem tenha conseguido, ao ser mais organizado, reduzir a despesa mensal em alimentação apenas e só porque passou a aproveitar tudo - coisa que não fazia - e a comprar apenas o que sabe que vai consumir. Porque ao que parece desperdiçava imensas coisas por falta de organização. As vezes, acho eu que estou a dizer coisas que toda a gente sabe, mas mesmo assim ainda consigo chegar a algumas pessoas mais distraídas! Fico muito feliz e obrigada a todos pelos simpáticos mails.
Por aqui, essa organização e esse planeamento continuam. E hoje com uma receita de despensa. Atum, tomate pelado e batatas.

Ingredientes para 2 pessoas:

2 batatas doce (usei da variedade laranja, mas podem usar qualquer variedade e até batata sem ser doce)
2 latas de atum em azeite
1 cebola
1 dente de alho
1 lata pequena de tomate pelado
azeite q.b.
sal e pimenta q.b.
1 colher de chá de orégãos secos
queijo parmesão q.b.
salsa ou coentros frescos para polvilhar

Preparação:

Lave bem as batatas e embrulhe-a em papel de alumínio. Leve depois a assar no forno previamente aquecido a 180ºC, durante cerca de 40 minutos ou até as batatas estarem macias.
Pique depois a cebola juntamente com um dente de alho e leve-os a alourar num tacho, com um pouco de azeite. Acrescente depois o tomate pelado cortado em cubinhos, assim como o líquido que vem na lata, e deixe levantar fervura. Tempere depois a gosto com sal, pimenta e com os oregãos, e deixe apurar. Quando o molho de tomate estiver a seu gosto acrescente o atum previamente escorrido, envolva bem e deixe cozinhar mais um ou dois minutos.
Entretanto retire as batatas do forno e cuidadosamente abra-as de modo a formar uma “bolsa”. Recheie com a bolonhesa de atum e termine com uma camada generosa de queijo parmesão ralado na hora e coentros ou salsa picada.
Acompanhe com legumes salteados ou uma salada.


Bom Apetite!

Bolo de Chocolate com Cobertura de Iogurte, Queijo Creme e Morangos


Aqui por casa não se faz uma grande celebração do dia dos namorados. Há muito tempo que já não se trocam presentes. A única coisa que se mantém, é um jantar mais cuidado, mas que fazemos em casa, agora com os nossos dois outros “namorados”. Hoje não vai ser diferente.
Um jantar mais simpático do que os nossos habituais jantares da semana. E porque não um bolo ou uma sobremesa.
Trago-vos um bolo. Muito rápido. Daqueles que podem fazer rapidamente - com os filhos ou não - assim que chegarem a casa. Para comemorarem este dia de uma forma mais simples.
Ou então não. Apenas e só um bom bolo de chocolate para fazerem naqueles dias em que estão com pressa e querem uma coisa rápida para o lanche. Ou para afogarem mágoas, porque estão naqueles dias. Porque afinal não vale a pena dar demasiada importância a este dia. O que vale é fazer com que todos os dias sejam especiais com a nossa pessoa especial!

Ingredientes:

125g de manteiga
1 chávena (com 225ml de capacidade) de leite
1 chávena (com 225ml de capacidade) de açúcar
1 chávena (com 225 ml de capacidade) de chocolate em pó
2 chávenas (com 225ml de capacidade cada) de farinha
2 ovos
1 colher de sobremesa de fermento em pó

Cobertura:
100ml de iogurte grego
100g de queijo creme
6 morangos

Preparação:

Coloque todos os ingredientes no robot de cozinha ou no copo da liquidificadora e bata até obter uma mistura homogénea.
Coloque depois a massa numa forma cm buraco previamente untada e polvilhada com farinha e leve a assar em forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 30 minutos.
Ao fim desse tempo retire o bolo do forno e deixe arrefecer 5 minutos antes de o desenformar. Deixe arrefecer completamente.
Prepare depois a cobertura. Misture o iogurte com o queijo creme misturando bem. Cubra o topo do bolo com este mistura e decora com morangos a gosto. Sirva.


Bom Apetite!

Salteado de Legumes e Bife


A semana começa e é dia de organizar e planear o resto da semana. De ver o que sobrou do fim de semana e fazer o jantar com base nisso. Há 1 bife grelhado, um restinho de brócolos, uns poucos cogumelos e ainda 3 pimentos pequenos que sobraram de um workshop. Todos estes ingredientes, sozinhos, não davam para nos alimentar. Mas juntos, num salteado cheio de legumes e com arroz a acompanhar, foram o nosso jantar.
Cá em casa fazem-se imensos salteados. Por vezes só mesmo de legumes, para acompanhamentos. Outras vezes com alguma sobra de carne. Servem-se com legumes ou massa, consoante a vontade. Variam-se os temperos: uma vez podem levar um bocadinho de gengibre e malagueta, outras vezes molho de soja, ou ainda um teriaki, Outras vezes só mesmo sal e pimenta. E não são uma receita. São apenas mais uma das minhas muitas sugestões de aproveitamentos. Quem não faz o mesmo?

Ingredientes para 2 pessoas:

1 bife de vaca (usei um bife grande grelhado que tinha sobrado de outra refeição)
1 cenoura grande
3 pimentos baby (laranja e amarelo)
10 cogumelos marron
3 raminhos de brócolos
1 dente de alho
azeite ou óleo de sésamo q.b.
sal e pimenta q.b.
coentros frescos para polvilhar

Preparação:

Corte o bife já cozinhado em tiras finas e reserve. (Caso esteja a fazer a receita sem aproveitamento, cozinhe primeiro a carne, deixe repousar e corte-a depois em tirinhas finas.)
Lave depois os legumes. Descasque a cenoura e corte-a em tirinhas finas, assim como os pimentos. Lamine os cogumelos e corte os floretes dos brócolos me pequenos pedaços, descartando os talos grossos (guarde-os para a sopa) de modo a que cozinhem rapidamente no wok ou frigideira. Lamine depois os dentes de alho.
Leve um wok ou frigideira grande ao lume com um pouco de azeite ou óleo de sésamo e quando aquecer junte os dentes de alho. Junte depois os legumes preparados e deixe-os saltear em lume forte. Tempere de sal e pimenta a gosto e deixe cozinhar. mexendo sempre, de modo a que os legumes fiquem cozinhados mas crocantes. Acrescente depois a carne e envolva bem. Como a carne já está cozinhada, acrescente-a apenas no fim, apenas para aquecer.
Sirva polvilhado com coentros frescos picados e acompanhe com arroz basmati ou thai jasmim bem soltinho.


Bom Apetite!

Creme Doce de Arroz


O gosto de cozinhar,  de partilhar receitas e de aprender e querer saber coisas novas e diferentes, faz-me fazer parte de muitos grupos de receitas e de culinária, de comprar imensas revistas e livros, e de “navegar” por sites e blogues em buscas de ideias e inspirações. 
Gosto de coisas muito diferentes. Tanto posso estar a ver receitas vegetarianas ou vegan, como em blogues lindos e deliciosos só de bolos maravilhosos, como de sites de receitas de inspiração paleo, como em grupos de receitas de “donas de casa”  como eu. 
E há um desses grupos ao qual acho particular graça. Principalmente pela partilha completamente despretensiosa do almoço e do jantar de todos os dias, sem fotos bonitas, mas onde muitas vezes, e dessa forma tão simples, surge inspiração - entre todos - do que fazer para o almoço ou jantar. Mais ainda da entre-ajuda entre todos aos pedidos de receitas e do “o que faço eu com isto que tenho aqui a descongelar”. Por vezes há receitas que são fenómenos. Alguém faz, todos se “babam” e, de repente há um sem número de pessoas a repetirem a receita. O que faz com que outros também queiram experimentar. Para quem gosta de cozinhar, é quase impossível não ficar contaminado pela euforia, e não querer também fazer essas receitas.
A última de que me dei conta, foi este creme de arroz. Talvez por ser tão incrivelmente simples, houve imensos membros que repetiram a receita. Eu também me deixei levar por esse entusiasmo, e numa tarde chuvosa de fim de semana, achei que merecíamos uma sobremesa para o jantar, e lá tratei de preparar o famoso creme de arroz.
A receita trouxe-me muitas memórias. Lembrei-me da papa maisena que a minha avó me fazia - ou leite creme fingido como algumas pessoas lhe chamam. É semelhante, mas com o sabor do arroz. Imaginem uma espécie de arroz doce em creme....
A receita foi partilhada pela Titá, que me inspira muitas vezes, a par da Donna ou do Nigel, do Rui,  da Suzana, da Isabel, do Jamie, do Sá Pessoa ou da minha mãe.... Porque é maravilhoso sentirmo-nos inspirados por quem também gosta de cozinhar, que partilha com todos e o faz de forma natural e verdadeira e apenas porque sim. Adoro descobrir coisas novas e sentir-me com vontade de fazer uma receita, de experimentar uma coisa diferente ou de simplesmente inventar com o que tenho a partir de uma ideia. Um excelente fim de semana, com vontade de fazer uma receita nova. Esta, ou outra qualquer!

Ingredientes para 4 tacinhas:

500ml de leite
1 casquinha de limão
60g de farinha de arroz
100g de açúcar
canela q.b.

Preparação:

Leve o leite a aquecer juntamente com a casca de limão. Num tacho coloque o açúcar e a farinha de arroz e misture. Vá depois adicionando o leite quente, mexendo de modo a que não ganhe grumos.
Leve novamente ao lume, brando, e vá mexendo até engrossar e cobrir as costas da colher de pau. Retire do lume e coloque em tacinhas.
Polvilhe com canela e sirva morno ou já frio.


Bom Apetite!

Crepes de Atum com Legumes (receita também em video)


Acho que é daquelas coisas que todos, mas mesmo todos temos sempre em casa|: uma ou duas latas de atum sempre presentes na despensa e prontas a fazer uma refeição. Daquelas coisas que trazemos quase sempre para casa numa ida às compras. Quem nunca desenrascou um jantar de sopa e tosta de atum. Ou uma saladinha de feijão frade, atum e ovo cozido numa marmita. Ou uma bela baguete de atum para levar para a praia. Isto já para não falar em quiches, massas rápidas, ou até umas pataniscas.
Acho que é um daqueles ingredientes que faz parte de quase todas as casas e de quase todas as despensas. E obviamente também aqui de casa.
Desta vez, o atum juntou-se a legumes consensuais e formaram um simples recheio de crepes - mas que podia ser para uma massa.
Os crepes esses, acho que já falei deles aqui, e são uma versão com polvilho e leite de coco que eu gosto muito porque gosto do sabor com que ficam. São perfeitos para quem não pode comer gluten e/ou laticinios, mas podem facilmente substituir estes crepes pela vossa receita habitual.
De qualquer maneira são uma simples refeição para a semana. E os que sobram são deliciosos também no dia seguinte, perfeito para quem leva marmita!
(E para simplificar, há video com a receita!)



Ingredientes para 6 crepes:

2 ovos
1/4 chávena de polvilho azedo ou doce (o que se usa para fazer pão de queijo)
1/2 chávena de leite de coco
2 colheres de sopa de azeite
sal q.b. 

Recheio:
2 latas de atum em azeite
2 cenouras
1 alho francês pequeno
1 cebola pequena
azeite q.b.
sal e pimenta q.b.

Preparação:

Para o recheio pique a cebola e leve-a a alourar num pouco de azeite. Acrescente depois a cenoura ralada e o alho francês em rodelas finas. Tempere de sal e pimenta e deixe refogar um pouco. Acrescente depois o atum previamente escorrido e envolva bem. Reserve.
Para os crepes, junte os ovos com o polvilho, o leite de coco, o azeite e tempere de sal. Bata com uma vara de arames até obter uma mistura homogénea e cremosa. Coloque uma frigideira anti aderente ao lume e deixe aquecer bem. Coloque um pouco da massa, deixe cozinhar e vire para o outro lado. Retire o crepe e coloque-o num prato. Repita até esgotar todos os ingredientes. (Se preferir, poderá fazer uma receita mais convencional de crepes.)
Recheie depois cada um dos crepes com um o recheio de atum e legumes e dobre-os ou enrole-os. Sirva com uma salada verde.


Bom Apetite!

Coxas de Frango Marroquinas com Cenouras Assadas


Às vezes quase que me esqueço que tenho 38 anos. Não me sinto com 38 anos, ou como achava que me poderia sentir quando tivesse 38 anos. Mas sinto a maturidade em muitas das minhas decisões e nas escolhas que faço. 
Algumas coisas tornaram-se mais fáceis. Dizer que não. Mudar objetivos e projectos. Ser feliz com coisas mais simples. Valorizar o que é realmente importante. Ter uma maior percepção da realidade. A capacidade de análise e de auto-análise. Deixar passar.
Por isso há coisas que, com a idade, se tornam naturalmente mais simples. E por se tornarem mais simples e descomplicadas ajudam-nos a focar noutras coisas mais importantes e de maior valor.
É mais fácil perceber o que já não dá e ter a capacidade de fazer essa mudança. É mais fácil tomar decisões, principalmente quando temos definido o que queremos para a nossa vida. É mais fácil abdicar de coisas e de assumir que não podemos viver sem outras. 
Em suma, com a idade veio a maturidade. E a maturidade permite-me conviver melhor comigo mesma e com as minhas decisões, com os meus defeitos e com as minhas virtudes. Aos poucos a maturidade faz-me cada vez menos ter necessidade de me justificar para ser aceite pelos outros. 
A maturidade faz-me perceber que não há nada melhor do que sermos assim, porque sim. 
A maturidade faz-nos gostar mais de nós e de perceber que sermos aceites exatamente como somos é o melhor do mundo.

Ingredientes para 3 pessoas:

6 coxas de frango não muito grandes
sal e pimenta q.b.
1 limão
1 colher de sopa de Ras-el-hanout (se não tiver use uma mistura de canela, cravinho, noz moscada, coentros em pó e cominhos)
250g de cenouras
1 colher de sopa de mel

Preparação:

Coloque as coxas de frango numa assadeira e tempere-as de sal, pimenta o ras-en-ranout e a raspa da casca do limão. Envolva bem, tape com papel de alumínio e leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 1h30 até as coxas estarem cozinhadas. Retire o papel de alumínio durante uns minutos para dourar a pele do frango.
Para as cenouras, descasque-as e corte-as em pedaços não muito pequenos. Coloque-as num recipiente que vá ao forno e tempere-as com um pouco de sal e pimenta e com o mel, envolvendo bem. Leve a assar - 180ºC cerca de 40 minutos - até que fiquem douradas.
Sirva as cenouras com o frango e acompanhe com legumes salteados ou cozidos ou uma salada.


Bom Apetite!

Caril de Pescada e Abóbora


Faço caril imensas vezes. Com as mais variadas combinações de ingredientes. De carne ou de peixe. Com ou sem legumes. Com fruta. Com camarão. Com leguminosas. Acho uma refeição muito prática e rápida de preparar, perfeita para ser feita de véspera, pois tal como a feijoada ou a chanfana, quantas mais vezes for aquecido, melhor fica.
Tanto faço caril para um jantar de amigos, almoço de aniversário ou para os nossos jantares da semana. E recorro muitas vezes a esta solução quando estou sem grandes ideias para o jantar.
Talvez por isso, não viva sem latas de leite de coco na despensa, e sem um bom pó de caril na gaveta das especiarias.Tudo o resto vem por acréscimo... 
Uma pequena dica. Raramente acrescento a pasta de malagueta ao caril. Há quem goste do caril muito picante, e quem não goste de nenhum picante. E depois há os miúdos que, por enquanto, não gostam mesmo de picante. O que faço, é nunca colocar picante no caril. Serve assim a todos. E depois, juntamente com o caril, vai para a mesa uma pasta de malaguetas que costumo fazer em casa, moendo malaguetas de piri-piri com um pouco de sal e azeite, e que depois guardo no frigorífico. Assim, quem gosta de picante pode ajustar a quantidade ao seu gosto pessoal. E todos podemos comer o mesmo!

Ingredientes para 4 pessoas:

4 lombinhos ou medalhões de pescada sem peles ou espinhas
200g de abóbora cortada em cubos (usei hokkaido, mas podem usar abóbora cabaça/butternut)
sal e pimenta q.b.
1 cebola
2 dentes de alho
1 pedaço de gengibre com cerca de 2cm
1 colher de sopa de caril em pó
pasta de malagueta a gosto (ou piri-piri) - opcional
200ml de leite de coco (de lata)
azeite ou óleo de coco q.b.

Preparação:

Pique a cebola juntamente com os dentes de alho e o gengibre até obter uma espécie de uma pasta.
Leve um tacho ao lume com o azeite ou óleo de coco e acrescente a pasta de cebola, alho e gengibre e deixe fritar durante uns minutos. Acrescente depois o caril e envolva bem deixando cozinhar mais uns minutos. Junte depois o leite de coco e tempere com sal, pimenta e a pasta de malagueta a gosto - se usar.Deixe levantar fervura e acrescente a abóbora em cubos deixando-a  cozinhar até que fique macia e a começar a querer desfazer-se.
Entretanto corte os lombinhos de peixe em cubos grandes e acrescente depois ao caril. Deixe cozinhar mais 5 ou 10 minutos até o peixe estar cozinhado.
Sirva o caril bem quente com arroz thai jasmim ou basmati.


Bom Apetite!

Empadão de Bolonhesa com Puré de Batata Doce e Leite de Coco


Mais uma semana que começa, e o frigorífico já está pronto! Um par de horas perdido no fim de semana a orientar a ementa semanal, e um frigorífico cheio de recipientes com refeições prontas e semi-prontas para a semana. A gaveta dos legumes cheia de sacos com os acompanhamentos lavados e preparados, e prontos a seguir para a panela ou frigideira. 
Cada um tem a melhor forma de se organizar, e eu estou cada vez mais adepta desta.
Para a receita que partilho hoje, saiu do congelador uma das minhas caixinhas com bolonhesa já preparada. Acrescentou-se umas ervilhas cozidas que tinham sobrado de outra refeição - e que faço várias vezes, porque os miúdos gostam muito - e depois um puré para terminar este empadão um bocadinho diferente, mas que é dos preferidos cá de casa. O Zé Maria repetiu e disse que estava muito bom!
E assim se começa mais uma semana. E semana que começa organizada tem tudo para correr bem... ou não!

Ingredientes para 3 pessoas:

250g de carne picada à bolonhesa já preparada 
1/2 chávena de ervilhas cozidas
3 batatas doce (amarela) médias (cerca de 500g)
3 colheres de sopa de leite de coco (de lata)
sal q.b.

Preparação:

Descasque as batatas e corte-as em cubos pequenos. Leve-as a cozer em água temperada de sal até que fiquem macias. Escorra-as bem e reduza-as a puré com um utensílio próprio ou um robot de cozinha. Acrescente depois o leite de coco de modo a obter um puré macio e sedoso. Retifique de sal.
No fundo de um prato que possa ir ao forno e à mesa coloque a bolonhesa já cozinhada e envolva as ervilhas cozidas. Por cima disponha o puré de batata doce e alise a superfície.
Leve depois ao forno previamente aquecido apenas para tostar o puré e sirva com legumes cozidos ou salteados.


Bom Apetite!

Bolo de Chocolate e Canela da Rosa


Eu não preciso de desculpas para fazer bolos. Aliás, de uma maneira geral não preciso de desculpas para cozinhar. Mas quando a semana passada ao levar o Zé Maria ao Jardim de Infância, ouvi na rádio que era o dia do bolo de chocolate, a ideia de ir para a cozinha fazer um não me saiu da cabeça. E não podia ter chegada em melhor hora. Primeiro porque tinha um delicioso caderno da Rosa - do Be Nice Make a Cake - de receitas de chocolate para me inspirar, tinha um curd de clementina feito que me pareceu combinar na perfeição com bolo de chocolate, e porque tinha de fazer um bolo para cantarmos os parabéns ao meu pai. Pareceu-me que apesar de não necessitar de desculpas para fazer um bolo, tinha ali imensas desculpas e justificações para ir para a cozinha. Tinha apenas um António adoentado, mas que até foi colaborante, porque dormiu uma grande sesta que me permitiu fazer o bolo mais calmamente...
Sendo assim, lá saiu o bolo da Rosa - que levava mais especiarias que eu omiti propositadamente, e apenas juntei a canela - e que ficou delicioso e aromático. Como quis fazer um bolo para comemorar o aniversário do meu pai, decidi simplesmente rechear e cobrir com curd de clementina e framboesas frescas e foi uma deliciosa combinação. 
E as aparas ainda serviram para acompanhar o café e servir ao amigo Tiago que apareceu por cá para dois dedos de conversa!
Como estamos em vésperas de fim de semana, desafio-vos a prepararem estes delicioso bolo pra comerem com uma bela chávena de chá!

Aproveito também para vos avisar de um novo workshop, já este domingo, dia 5 de Fevereiro, na Colher de Chá, em Ovar - Furadouro, pelas 10h, e com o tema de “Receitas Rápidas para todos os dias”. Para mais informações e para se inscreverem: geral@colherdecha.pt

Ingredientes (para 1 bolo pequeno):
(in “Caderno de Receitas com Chocolate - para momentos doces, Rosa Cardoso)

150g de farinha sem fermento
50g de cacau em pó
200g de açúcar
1/2 colher de chá de fermento em pó
1 colher de chá de bicarbonato de soda
1 colher de chá de café diluído em 15ml de água quente
1 colher de chá de canela em pó
80g de manteiga à temperatura ambiente
3 ovos grandes
120g de iogurte natural

Preparação:

Numa taça coloque a farinha, o cacau, o fermento, o bicarbonato e a canela. Misture e reserve.
Numa outra taça coloque a manteiga e o açúcar e bata com a batedeira até ficar uma mistura cremosa. Acrescente depois os ovos, um a um, batendo entre cada adição.
Envolva depois este creme na taça com a mistura dos secos e adicione o iogurte e o café. Envolva tudo muito bem e delicadamente.
Forre uma forma com 18cm de diâmetro com papel vegetal, ou unte-a muito bem com manteiga e polvilhe com farinha. Verta o preparado para a forma e leve a cozer em forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 30-40 minutos ou até o centro do bolo estar firme.
Retire o bolo do forno e deixe arrefecer 10 minutos antes de desenformar.
Se quiser rechear, deverá deixar que o bolo arrefeça completamente antes de o cortar, rechear e decorar.

(Neste caso, e como o bolo serviu para cantar os parabéns ao meu pai, recheie e cobri com curd de clementina (receita aqui) e framboesas frescas!)

Bom Apetite!

Pavlova com Natas e Creme de Kiwi (receita também em video)


Os kiwis não param de chegar cá a casa. Primeiro os dos pais do Paulo. Depois os dos pais do J.P. De seguida ainda foram os dos primos da Carregosa e ainda os dos pais da Joana. Ainda bem que gostamos, mas tem também sido necessário de encontrar outras formas de os consumir. Eu gosto de os comer bem madurinhos à colherada, seja ao pequeno almoço, seja depois das refeições. O Miguel come quase sempre ao pequeno almoço... Os miúdos não gostam muito, mas coloco-os nas papas caseiras e em smothies e iogurtes misturados com outras frutas.
Já os tinha usado em compotas, e ainda não os usei num bolo... Mas saíram umas belas pavlovas decoradas com um creme de kiwi, que é uma das combinações clássicas de pavlovas - com kiwi.
E como sei que muitos não se aventuram na pavlova por acharem que é demasiado complicado, nada melhor do que um video a ilustrar a receita de hoje, para vos provar como é simples e está ao alcance de todos!



Aproveito também para vos avisar de um novo workshop, já este domingo, dia 5 de Fevereiro, na Colher de Chá, em Ovar - Furadouro, pelas 10h, e com o tema de “Receitas Rápidas para todos os dias”. Para mais informações e para se inscreverem: geral@colherdecha.pt

Ingredientes para 4 pavlovas individuais :

2 claras de ovo
100g de açúcar
1 colher de chá de amido de milho (Maisena)
1 colher de chá de vinagre de vinho branco

150ml de natas batidas
morangos q.b.
3 kiwis grandes
1 lima

Preparação:

Ligue o forno e regule-o para 150ºC.
Bata as claras em castelo, mas não as deixe ficar demasiado duras. Acrescente depois o açúcar, aos poucos e poucos, batendo com a batedeira eléctrica entre cada adição de açúcar. As claras devem ficar completamente duras e muito brilhantes (Se não atingiu este ponto, nem vale a pena colocar a mistura no forno...)
Junte agora o amido de milho e o vinagre e mexa bem com uma vara de arames para envolver muito bem.
Forre um tabuleiro com papel vegetal e com a ajuda de uma colher faça 4 montinhos redondos para fazer 4 mini-pavlovas.
Coloque-as no forno e reduza-o para 120ºC. Deixe cozinhar a pavlova durante 1 hora e evite abrir a porta do forno. Ao fim desse tempo desligue o forno e deixe-a arrefecer completamente lá dentro antes de a retirar.
Descasque os kiwis. Reserve 1, cortando-o em fatias e coloque os restantes no copo da varinha mágica. Junte um pouco de sumo de lima (cerca de 1/2 lima) e triture bem com a varinha até obter uma mistura homogénea.
Cubra cada uma das pavlovas já completamente fria com as natas batidas e depois coloque o kiwi triturado com a lima. Decore com umas fatias de kiwi e folhas de hortelã.
Sirva de imediato.


Bom Apetite!

Canja Exótica de Frango e Noodles


Quando digo que cá em casa nada se desperdiça, digo-o com convicção, e tendo a certeza de que muitas vezes faço “muito com pouco”. É o caso desta canja.
Os frangos que costumo comprar, trazem sempre miúdos. A primeira coisa que faço é separar os miúdos do frango e congelar à parte.
Os miúdos servem, na grande maioria das vezes, para fazer os meus caldos de frango caseiros (como já expliquei neste post do economia cá de casa) e que servem depois para arroz, risoto e até canja. Sim. Por aqui faz-se uma versão de canja apenas com a água onde se cozeram os miúdos do frango e às vezes algumas aparas extras de frango (ajuda muito usar frango caseiro para isto!)
Esta semana que passou, decidi preparar uma “canja” diferente para o jantar simples de domingo, e lá fui eu em busca dos saquinhos de miúdos no congelador. Como tinha feito frango assado para o almoço, acabei a aproveitar um pedaço de coxa que tinha sobrado para desfiar sobre a canja, mais foi apenas mais um aproveitamento.
E assim, de quase nada, lá se aproveitaram os miúdos e saiu uma “canja” exótica, de inspiração oriental, quer pelos noodles, quer pelos temperos do gengibre e da malagueta!
Espero que gostem da receita e que a dica vos seja útil!

Aproveito também para vos avisar de um novo workshop, já este domingo, dia 5 de Fevereiro, na Colher de Chá, em Ovar - Furadouro, pelas 10h, e com o tema de “Receitas Rápidas para todos os dias”. Para mais informações e para se inscreverem: geral@colherdecha.pt

Ingredientes para 2 pessoas:

miúdos de frango q.b. (usei miúdos de 3 frangos caseiros)
2 spring onions (ou 1 alho francês pequeno)
6 ovos de codorniz
1/2 cebola
sal e pimenta q.b.
1/2 malagueta chilli vermelha
1 pedaços de gengibre fresco (com cerca de 3 cm)
sobras de frango cozinhado q.b. (usei 1 coxa de frango)
50g de noodles de ovo

Preparação:

Num tacho coloque os miúdos de frango, a 1/2 cebola, cerca de 1 litro de água e tempere de sal. Deixe cozinhar em lume brando cerca de 1 hora, para formar um caldo de frango.
Ao fim deste tempo coe o caldo e volte a colocar na panela. Descarte a cebola e corte os miúdos de frango em pequenos pedaços e reserve.
Leve novamente o caldo de frango ao lume e retifique de sal e tempere com um pouco de pimenta. Acrescente os ovos de codorniz para que cozam e, quando levantar fervura acrescente também os noodles, deixando-os cozer cerca de 4 minutos ou conforme a indicação da embalagem. Desligue o lume e retire depois os ovos de codorniz e descasque-os, colocando-os de novo na panela.
Corte o cebolinho em fatias muito finas, assim como o gengibre em tirinhas e a malagueta. Desfie o frango - se usar- e coloque tudo no caldo bem quente, assim como os miúdos de frango.
Sirva bem quente em taças.
Se gostar acrescente umas gotas de molho de soja.


Bom Apetite!

Imprimir