Cogumelos Panados da Luisa


Nesta altura que tenho de fazer mais refeições, tenho dado por mim a fazer ainda mais refeições sem carne nem peixe, e a testar coisas diferentes, a sair mais da zona de conforto. Ao mesmo tempo que saem da cozinha receitas mais simples, de um tacho só e de aproveitamentos, saem também muitas coisas inspiradas nas refeições vegan e vegetarianas.
E foi assim, que esta receita da Luisa, saiu finalmente para a minha mesa.
Para os miúdos, como não são grandes fãs de cogumelos, fiz exatamente o mesmo, mas com cenouras - que cozi ligeiramente primeiro- e panei depois de igual forma. Podem experimentar com qualquer legumes que tenham em casa. Ficam realmente deliciosos e crocantes, e vale a pena fazer fritos para isto!

Ingredientes: 

250gr de cogumelos ( a receita original pede pleurotus, mas eu só tinha cogumelos marron)
150gr de farinha de trigo
50gr de amido de milho (maisena)
cerca de 100/150ml de água 
Pão ralado q.b.
Alho em pó q.b.
Oregãos secos q.b.
Sal e pimenta q.b.

Preparação:

Corte os cogumelos ao meio e coloque-os num tabuleiro, temperando-os com sal, Deixe ficar cerca de 30 minutos.
Numa taça junte 100gr de farinha de trigo, o amido de milho, a água e tempere com o alho em pó, um pouco de sal e pimenta, e os oregãos. Junte depois a água, aos poucos e poucos  enquanto mexe.  O polme tem de ficar solto mas não um pouco grosso para agarrar aos cogumelos. Reserve. Numa outra taça coloque o pão ralado também temperado com alho em pó, sal e oregãos .
Polvilhe depois os cogumelos com os restantes 50 g de farinha para lhes retirar alguma humidade e um a um passe-os  pelo polme e de seguida pelo pão ralado. Frite-os em óleo abundante e bem quente (os cogumelos têm de mergulhar no óleo)  até que fiquem dourados.
Escorre depois sobre uma grelha ou papel absorvente.
Acompanhe com arroz de feijão ou de tomate, e uma salada verde.


Bom Apetite!

Bolachinhas de Aveia Fáceis


É natural que durante esta quarentena, e este periodo mais em casa, seja mais fácil termos vontade de ir para a cozinha e testar receitas.
Assim que vi estas no instagram da Joana Moura, fiquei logo com elas debaixo de olho para fazer com os miúdos. E assim foi. No dia seguinte lá fomos fazer bolachinhas para a cozinha. Uma tarefa que eles adoram, e que é sempre um momento bem passado.
As bolachinhas são deliciosos, e quase não chegavam ao fim do dia!
Bom fim de semana! Fiquem em casa! Façam bolachinhas!

Ingredientes para 20 bolachinhas
(receita da @Jocooking)

100g de manteiga amolecida
30g de açúcar de coco
120g de flocos d aveia
40g de farinha de aveia
1/4 colher de chá de bicarbonato de sódio
1 ovo
flor de sal q.b.

Preparação:

Numa taça misture todos os ingredientes até obter uma massa homogénea. Forme depois bolinhas e coloque-as num tabuleiro forrado com papel vegetal ou com um tapete de silicone. Espalme depois as bolachas com as mãos ou com a ajuda de um garfo para ficarem mais crocantes.
Leve-as depois ao forno previamente aquecido a 180ºC durante 10 a 15 minutos, até começarem a ficar douradas nas bordas.
Deixe arrefecer sobre uma grelha.


Bom Apetite!

Gratinado de Massa com Legumes


Num destes dias, andavam pelo frigorífico umas sobras de legumes assados. A ideia inicial até era de apenas os aquecer e comer com um ovo estrelado. Mas de repente achei que uma massa e um molho bechamel e queijo, era mais reconfortante, e assim fiz, sendo que a refeição acabou por render para dois, em vez de só para um.
E assim vamos andando!

Ingredientes para 2 pessoas:

cerca de 2 chávenas de sobras de legumes assados
1 chávena de espinafres frescos
150g de massa curta - usei fusili
75g de queijo ralado
2 colheres de sopa de farinha
2 colheres de sopa de azeite ou manteiga
cerca de 350ml de leite ou bebida vegetal
sal e pimenta q.b.
noz moscada q.b.
cebolinho picado opcional.

Preparação:

Comece por cozer a massa em água abundante temperada de sal até ficar al dente.
Faça depois o molho bechamel. Leve um tacho ao lume com o azeite e junte a farinha, deixando-a cozinhar até que forme uma bola. Junte depois o leite ou a bebida vegetal, aos poucos e poucos de modo a formar um molho espesso. Deixe ferver uns minutos em lume brando, e tempere depois com sal, pimenta e um pouco de nos moscada.
Escorra a massa e envolva-a bem nos espinafres frescos e nas sobras de legumes assados. Envolva também metade do molho béchamel e coloque depois tudo numa travessa que vá ao forno e à mesa. Cubra com o restante molho e o queijo ralado e polvilhe com o cebolinho picado.
Leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 25 minutos ou até o queijo derreter o ficar com um aspeto dourado.
Sirva com uma salada verde.


Bom Apetite!

Empadão de Bacalhau com Puré de Batata e Couve Flor


A vida aqui em casa entra aos poucos  num ritmo mais “normal” apesar de todo este panorama mundial. Temo-nos adaptado aos poucos. Há dias melhores, dias piores. Muitas incertezas e muitas inseguranças. Mas vamos tentando que a nossa vida siga o seu curso. Todos nos adaptamos. Nós e os miúdos, porque as nossas rotinas são agora tão diferentes. Temos todos de ter mais paciência também uns para os outros... Nem sempre é fácil.
Pelo meio as tarefas de sempre e cozinhar ainda mais.
Hoje deixo-vos uma receita de empadão de bacalhau, utilizando migas de bacalhau congeladas e demolhadas, um ingredientes prático para terem em casa, ainda mais nesta altura de quarentena!

Ingredientes para 4 pessoas:

400g de migas de bacalhau demolhadas e bem escorridas.
2 cebolas
2 dentes de alho
azeite q.b.
sal e pimenta q.b.
1 folha de louro
500g de batatas descascadas
500g de floretes de couve flor
noz moscada q.b.
1 colher de sopa bem cheia de manteiga
200ml de leite (bebida vegetal, água ou caldo de legumes)

pão ralado ou queijo ralado (opcional)

Preparação:

Comece por preparar o puré. Coloque as batatas cortadas em pedaços não muito grandes e a couve flor em raminhos, e coza (eu gosto de cozer a vapor) até que fiquem macios (Para quem tem um robot de cozinha tipo bimby, poderá fazer o puré no robot como habitualmente, mas seguindo estas quantidades e ingredientes!)
Escorra os legumes e esmague-os com a ajuda de um esmagador ou passe-vite, junte o leite ou caldo, 1 colher de sopa de manteiga, e tempere a gosto com sal, pimenta e noz moscada. Misture bem até ficar um puré homogéneo. Reserve.
Entretanto pique as cebolas e os dentes de alho e leve a refogar num pouco de azeite e com a folha de louro até que fiquem lourinhas. Junte depois o bacalhau bem escorrido e envolva bem na cebolada. Retifique os temperos e deixe cozinhar em lume brando durante alguns minutos.
Coloque depois a mistura de bacalhau no fundo de um tabuleiro que vá ao forno e à mesa. Por cima cubra com o puré de batata e couve flor e polvilhe depois com pão ralado ou até queijo ralado (ou o tradicional ovo batido!)
Leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 30 minutos, até tostar a superfície.
Sirva com legumes cozidos ou salteados ou uma salada verde.


Bom Apetite!

Bolo de Cenoura sem ovos


Apesar de este ano o aniversário do Miguel ter sido, por força das circunstâncias, mais calmo, não quer dizer que não houvesse bolo para cantar os parabéns!
Optei por fazer um bolo de cenoura - que os miúdos pediram - mas numa versão sem ovos, e que ficou bastante macio e húmido. Uma alternativa para quem está com falta de ovos, quem é alérgico ao ovo, ou para quem não consome produtos de origem animal.

Ingredientes:
(chávena utilizada com 225 ml de capacidade)

3 cenouras grandes
casca de 1 laranja (a casca inteira, não é só a raspa)
1 chávena de açúcar amarelo
1/2 chávena de óleo vegetal (usei óleo de grainha de uva)
1 chávena de farinha de milho
2 chávenas de farinha de trigo ou de espelta
1 colher de sopa de fermento em pó
1/3 de chávena de bebida vegetal ou água 
1 colher de sobremesa de farinha de linhaça
1 colher de chá de canela em pó (opcional)

Cobertura:

100g de chocolate 70% cacau
75ml de natas ou natas vegetais

Preparação:

Comece por misturar a bebida vegetal ou água com a farinha de linhaça e deixe repousar uns 5 minutos.
Num robot de cozinha ou copo da liquidificadora coloque  as cenouras descascadas e cortadas em pedaços, a casca da laranja, as farinhas, o fermento, o açúcar, o óleo, a canela e a mistura de farinha de linhaça e bebida vegetal. Triture tudo até obter uma massa homogénea.
Verta a mistura numa forma previamente untada e forrada com papel. E leve ao forno previamente aquecido a 180ºc durante cerca de 45 minutos ou até o bolo estar cozinhado.
Retire do forno, desenforme e retire o papel vegetal. Deixe arrefecer sobre uma grelha.
Quando o bolo estiver completamente arrefecido prepare a cobertura.
Num tacho coloque as natas e deixe aquecer. Junte depois o chocolate partido em pedaços e misture bem até ficar com uma mistura brilhante e homogénea.
Verta sobre o bolo e decore a gosto.


Bom Apetite! 

Tarte Salgada de Sobras de Carne e Queijo


Cozinhar sempre foi uma forma de descontrair e de relaxar. Ir para a cozinha sempre me deixou feliz, e bem disposta, e sempre foi uma forma de esclarecer as ideias!
Agora não é diferente. Curiosamente e por força das circunstâncias passo ainda mais tempo na cozinha e a cozinhar, e continuo a gostar - menos a parte da louça! 
O facto de fazer mais refeições, de estar mais “condicionada” nas nossas idas às compras e, eventualmente até de alguns ingredientes que podem não estar tão facilmente disponíveis, acrescido a toda a incerteza acerca do estado futuro económico do mundo, estão a fazer-me ser ainda mais criativa, ou melhor a racionalizar os ingredientes e as sobras de forma ainda diversificada. E, de certa forma, a conseguir fazer passar essa mensagem para todos os que me seguem aqui ( e nas outras redes sociais). Sinto que é o meu “dever” mais do que nunca, fazer esta partilha e passar esta mensagem. De que com o pouco de faz muito. De que é possível comer refeições equilibrada e apelativas com pouco, e usando ingredientes simples. É um verdadeiro voltas à origens, de repensar os ingredientes, os recursos. De voltar a fazer em casa o que deixamos de fazer - como pão. E de aprender, ou reaprender  as receitas das avós, quando o tempo e as necessidades eram outras.

Ingredientes para 1 tarte pequena:

Massa:
150g de farinha
60g de manteiga
2 colheres de sopa de água
sal q.b.

Recheio:
1/2 chávena de sobras de carne já cozinhadas
1 cebola pequena
1 dentes de alho
azeite q.b.

2 ovos
100ml de natas
50g de queijo ralado
sal e pimenta q.b.

Preparação:

Comece por preparar a massa. Num robot de cozinha (ou à mão), misture a farinha com o sal,  a manteiga e a água e misture até obter uma massa lisa e homogénea.
Forre com a massa uma forma de tarte de fundo amovível (ou outra que tenha disponível), não se esquecendo de forrar o fundo e os lados. Pique o fundo com um garfo e leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 15 minutos, pré cozinhando a massa.
Entretanto prepare o recheio. Pique a cebola com o dente de alho e leve a refogar num pouco de azeite. Junte depois as sobras de carne (podem ser sobras de outra coisa qualquer) também picadas e envolva bem. Retire e deixe arrefecer um pouco.
Retire a massa da tarte do forno e recheio com o preparado de carne, espalhando bem. Por cima disponha um pouco de queijo ralado.
Bata os dois ovos com as natas e tempere a gosto com um pouco de sal e pimenta . Verta sobre o recheio da tarte, e leve novamente ao forno a 180ºC e durante cerca de 30 minutos até que o recheio fique firme e dourado.
Retire do forno, deixe arrefecer um pouco e desenforme.
Sirva com uma salada verdes ou legumes salteados.


Bom Apetite!

42 do Miguel


Hoje o meu marido faz 42 anos.
Quando me perguntam porque me dou a tanto trabalho para fazer as festas que normalmente faço, e se isso não me cansa... Quando me falam do trabalho, de ter de arrumar e limpar tudo... eu respondo sempre que temos de aproveitar aquele dia, porque não sabemos o dia de amanhã, porque não sabemos quem pode partir entretanto, porque não sabemos as voltas que a vida vai dar... Ainda em finais de Janeiro, quando a Benedita fez anos tive essa conversa com umas amigas. Que faz mesmo todo o sentido aproveitar para celebrar com os que amamos, todos os momentos que a vida nos proporciona. E é por isso que eu nunca me importo de fazer festas. De ter sempre a casa cheia. De receber amigos e família. De fazer almoços que acabam à meia noite. Nunca me importo com a casa suja, a louça que parece não acabar, com os mil brinquedos espalhados e os legos desmontados...
Nunca me importo porque eu, porque ninguém, sabe o dia de amanhã. Aquele dia em que não vamos poder celebrar juntos. Ninguém sabe se no ano seguinte, se da vez seguinte vão estar todos por cá, se vamos ter todos saúde.
Aproveitar quando podemos para fazer festa, para conviver, nunca fez tanto sentido como agora. O Miguel vai celebrar na mesma os 42. Vai haver bolo e parabéns. Vão haver os telefonemas da família e dos amigos. Vamos estar nós.
E vamos acreditar que para o ano, e nos outros, faremos festa ainda mais rija, porque soubemos que houve um ano em que não pode haver festa. Em eu não podemos juntar no nosso espaço aqueles que amamos. 

Da próxima vez que acharem que uma festa dá muito trabalho, que não querem a casa suja, que é melhor fazer uma coisa mais pequena, lembrem-se de quando quiseram celebrar e não puderam. Vamos aprender mesmo a aproveitar as coisas boas e simples que a vida nos dá. Que é conviver e estar com os outros.


Parabéns Miguel. Que este seja um feliz aniversário, mais calmo, só nós, mas que nunca nos esqueçamos de fazer festa e de celebrar todas as outras oportunidades e momentos.

Bolo de Chocolate para o Pai


Neste dia do pai, não serei a única a não abraçar o meu. Não serei a única a desejar um bom dia do pai por telefone. Não serei a única a tentar fazer normalidade numa altura em que tudo nos parece surreal.
Havemos de ultrapassar isto, desejando não perder os nossos, e fazendo o que nos compete para isso não acontecer.
Neste dia do Pai, com um país em estado de emergência - seja lá isso o que for - tentamos viver a normalidade. Fazemos um bolo, e damos ao pai cá de casa os presentes que fizemos na escola. Ligamos aos avós e ao Bitó. E vivemos agora esta estranha normalidade. Resguardados mais mais próximos dos outros. Afastados mais estranhamente mais juntos.

Ingredientes: 
(in “um bolo por semana” Rita Nascimento - página 50)

2 ovos
200g de açúcar (usei amarelo)
100g de chocolate tablete 75% cacau
125g de manteiga
100ml de leite (usei de aveia)
200g de farinha
20g de cacau em pó
1 colher de chá de fermento
1/2 colher de bicarbonato de sódio

Preparação:

Numa taça bata os ovos com o açúcar até  ficar uma mistura mais fofa e esbranquiçada. 
Entretanto derreta o chocolate em pedaços juntamente com a manteiga e o leite (eu derreti no microondas, durante 90 segundos, mexendo a cada 30 segundos para não queimar). Mexa bem até ficar bem envolvido.
Verta a mistura de chocolate sobre os ovos batidos com açúcar e mexa bem. Junte depois a farinha, o cacau, o fermento e o bicarbonato e envolva até ficar uma mistura homogénea.
Verta a mistura numa forma untada e polvilhada com farinha e leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 40 minutos ou até o bolo estar cozinhado.
Retire e deixe arrefecer um pouco antes de desenformar e deixar arrefecer sobre uma grelha.


Bom Apetite!

Pataniscas de Sardinha com Tomate


Não desperdiçar e rentabilizar os nossos recursos, sempre foi uma causa querida para mim. Mas agora, faz mais sentido do que nunca. Filas para o supermercado, nem sempre estar disponível os bens que queremos, algumas (muitas direi eu!) famílias a verem o seu rendimento mensal diminuido.... Tudo isto continua a fazer muito sentido. Ainda mais sentido. E paramos para perceber que não desperdiçar e rentabilizar sempre fizeram sentido. Em todas as alturas e em qualquer circunstância.
Aproveitemos este tempo em casa e estas saídas mais escassas para irmos ao supermercado para dar volta à despensa e ao congelador, para planearmos melhor, para fazer muito com pouco.
Fazer comida de “massa” que rende mais, Receitas de um tacho só. Utilizar todas as sobras e restinhos para criar novas receitas. Quiches, rissois, empadas, pataniscas, massas limpa frigorífico. Tudo óptimas receitas para aproveitar quase todas as sobras que possam ter ou vir a ter em casa.
Segue então a receita de pataniscas!

Ingredientes para 12 pataniscas pequenas

3 colheres de sopa bem cheias de farinha
1 pitada de fermento em pó
1 lata de sardinha em molho de tomate
1 ovo
1 cebola pequena
sal e pimenta q.b.
125ml de água (aproximadamente)

Preparação:

Pique a cebola e coloque numa taça. Junte o ovo, as sardinhas e o molho da lata e misture bem até ficar tudo meio desfeito. Acrescente a farinha e o fermento e envolva bem. Tempere de sal e pimenta e acrescente a água, pouco a pouco até a massa ficar com a consistência desejada.
Leve uma frigideira ao lume com um pouco de óleo ou azeite e frite colheradas de massa até que fiquem douradas.
Escorra sobre uma grelha ou papel absorvente.
Sirva com arroz de legumes ou uma salada russa.


Bom Apetite!

Queques de Laranja com Sementes de Papoila


No fim de semana, e juntamente com os miúdos, saíram da cozinha uns queques de laranja e sementes de papoila. Conseguiu sobrar um para contar a história e fotografar. Simples e fáceis de preparar e fizeram as delícias dos miúdos.
Além disso é uma maneira de aproveitar as cascas da laranja!

Ingredientes para 14 queques pequenos:
(adaptado da Revista Bimby - momentos de partilha, Março 2020, página 21)

120g de açúcar mascavado
casca de 1 laranja
3 ovos
100ml de azeite
140g de farinha
1 colher de chá de fermento em pó
1 colher de sobremesa de sementes de papoila

Preparação:

No robot de cozinha ou copo liquidificador coloque o açúcar  e a casca da laranja (sem a parte branca) Triture até a casca estar bem envolvida  o açúcar. Junte os ovos, o azeite e triture cerca de um minuto até ficar com uma mistura fofa. Junte depois a farinha e o femento e as sementes de papoila e envolva tudo muito bem.
Divida a massa por formas de queques previamente untadas e polvilhadas.
Leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 20 minutos.
Retire do forno, desenforme e deixe arrefecer sobre uma grelha!


Bom Apetite!

Peito de Frango Estufado com Molho de Tomate e Azeitonas


Estamos em casa, a cumprir as recomendações. E tentamos que a nossa vida continue o mais normal possível. Acordamos um pouco mais tarde, e não fomos à escola. Mas de resto tivemos um normal acordar. Os miúdos tomaram o pequeno almoço e estão a ver alguns desenhos animados. Eu fiz camas, tirei louça da máquina, respondi a mails pendentes...
Vamos tentar levar tudo com calma. fazer actividades com eles, para além das escolares. Tentar que  desenvolvam outras competências e aprendam outras coisas. São tempos estranhos para todos. Para nós e para eles!
As receitas vão, claro continuar. Talvez com algumas “adaptações” a partir daquilo que temos em casa e ainda com mais aproveitamento, e evitando ainda mais o desperdício!

Ingredientes para 4 pessoas:

4 peitos de frango pequenos
1 lata pequena de tomate pelado
1 cebola
2 dentes de alho
1 folha de louro
1 colher de sopa de oregãos secos
sal e pimenta q.b.
100g de azeitonas descaroçadas
azeite q.b.

Preparação:

Pique a cebola e os dentes de alho e leve-os ao lume numa frigideira ou tacho largo juntamente com um pouco de azeite. Junte o louro e deixe refogar.
Acrescente depois o tomate pelado previamente triturado ou picado e deixe estufar um pouco. Tempere com os oregãos, sal e pimenta.
Acrescente depois os peitos de frango inteiros, cubra com o molho de tomate, e deixe estufar cerca de 30 minutos, até o peito de frango estar cozinhado e macio. Junte as azeitonas, envolva bem e deixe cozinhar mais 5 minutos.
Sirva com puré de batata ou com massa cozida.


Bom Apetite! 

Asinhas de Frango Agridoces


Estamos a viver actualmente uma pandemia. Não sabemos muito bem o que vai acontecer. Fazemos a nossa parte, o melhor que conseguimos, que neste momento é resgardarmo-nos o melhor que podermos, e todos os que o puderem fazer,  evitar sair de casa. 
Temos de manter a maior normalidade possível dentro de nossas casas. E portanto vamos cozinhando, porque estamos em casa, e temos todos a necessidade de nos alimentar. É uma altura de dar volta às despensas, congelador, frigorífico.
Partilho aqui uma receita básica, que pode ser adaptada com outras coisas que tenham em casa. Nesta caso, asas de frango e um resto de uma embalagem de molho agridoce de compra.

Ingredientes para 4 pessoas:

750g de asas de frango 
150ml de molho agridoce de compra (ou outro molho adocicado que tenham em casa - molho hoisin, molho teriaki, molho de ostra...)
sal q.b.

Preparação:

Prepare as asinhas. Corte as pontas e descarte-as. Separe depois as outras duas partes da asa, cortando pela articulação e ficando com dois pedaços.
Coloque tudo num tabuleiro que possa ir ao forno e tempere de sal.
Leve ao forno previamente aquecido a 200ºC, e deixe cozinhar cerca de 45 minutos, mexendo de vez em quando, até as asas estarem douradas e cozinhadas.
Retire do forno , descarte a gordura em excesso e coloque num prato de servir.
Envolva depois com molho agridoce misturando bem, de modo a que todas as asas fiquem bem cobertas.
Sirva polvilhado com salsa ou cebolinho picado.


Bom Apetite!

Bolo de Limão, Azeite e Farinha de Milho


Uma combinação diferente e que resultou mesmo muito bem.
Lembrei-me de uma combinação de um bolo que comi há muito tempo de farinha de milho e limão, e achei que podia juntar o limão inteiro como no bolo da laranja inteira.
Arrisquei um pouco com a combinação e o limão inteiro, mas o bolo resultou mesmo bem, e ficou com uma textura espetacular e um sabor delicioso a limão, sem ser demasiado intenso. 
Deixo-vos a receita. Espero que gostem tanto quanto nós aqui por casa!

Ingredientes:

1 limão
4 ovos
100ml de azeite
200g de açúcar mascavado
125g de farinha de milho
125g de polvilho azedo
2 colheres de chá de fermento em pó

Preparação:

Coloque no copo do robot do da liquidificadora o limão cortado em pedaços, os ovos, o açúcar, a farinha de milho, o polvilho, o azeite e o fermento em pó.
Triture tudo bem até obter uma massa lisa e homogénea.
Coloque depois a mistura numa forma de bolo inglês previamente untada e forrada com papel vegetal.
Leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 45 minutos, ou até o bolo estar cozido, quando testado com um palito.
Desenforme e deixe arrefecer sobre uma grelha antes de cortar em fatias.


Bom Apetite!

Carne de Peru à Portuguesa (com Batatas Suadas)


Andava com ideias de testar uma versão de carne de porco à portuguesa usando peru há já algum tempo. Como a carne de peru é um bocadinho insípida, achei que poderia ser uma boa receita para lhe poder dar uma nova cara, e evitando que ficasse muito seca, que é sempre um problema quando usamos a carne de aves, que não contém gordura quase nenhuma, e que acaba muitas vezes a ter este problema.
Resultou bastante bem, e é uma óptima receita para fazer várias vezes, é rápida para o dia a dia e que agrada facilmente a todos. Usei também, em vez das batatas fritas, a versão das batatas “suadas” que faço várias vezes em alternativa às fritas neste tipo de receita. Também podem usar batatas “fritas” no forno com alternativa às fritas tradicionais.
Uma adaptação que resultou muito bem!

Ingredientes para 4 pessoas:

6 batatas grandes
500g de peito de peru em cubos
4 dentes de alho
1 colher de chá de pimentão fumado (ou colorau)
sal e pimenta q.b.
150ml de vinho branco
2 folhas de louro
sumo 1/2 limão
azeite q.b.

Pickles picados e coentros frescos picados para servir

Preparação:

Tempere os cubos de peru com sal e pimenta, os dentes de alho picados, o pimentão fumado, as folhas de louro, o sumo de limão e o vinho branco e deixe marinar, de preferência de um dia para o outro.
Entretanto descasque as batatas e corte-as em cubos do mesmo tamanho da carne.
Leve um frigideira grande ao lume com cerca de 2 colheres de sopa de azeite, e deixe aquecer. Junte as batatas e envolva-as no azeite, e deixe cozinhar, tapado, em lume brando, mexendo de vez em quando, até que as batatas fiquem cozinhadas.
Leve um tacho ao lume com mais um pouco de azeite e deixe aquecer. Escorra a carne de peru da marinada e deixe-a cozinhar no azeite, até que comece a ficar dourada. Junte depois o líquido da marinada, envolva bem, e reduza o lume para o mínimo, deixando a carne acabar de cozinhar e o marinada reduzir. Assim que as carne estiver cozinhada, junte as batatas “suadas” também já cozinhadas e envolva bem.
Antes de servir polvilhe com os coentros e os pickles picadinhos, e sirva com uma salada verde.


Bom Apetite!

Pão Rápido de Espelta e Espelta Integral (variante de pão da Titá)


Faço pão em casa há muito tempo. Desde que descobri o receita da Titá, em 2015, e a tomei como minha. Há quase cinco anos que fazer o nosso pão se tornou um ritual quase semanal, com poucas interrupções pelo caminho. A máquina de pão, que tinha (e ainda tenho, empacotada algures) deixou de fazer sentido, quando se descobre uma receita que não precisa de ser amassada, que se faz em poucos minutos e onde é penas precuso misturar ingredientes e deixar levedar. O gesto tornou-se tão natural e habitual. E a receita foi sofrendo adaptações próprias da prática e de experiência. Neste momento faço a receita um pouco diferente, com um rácio de água e farinha diferente, mas que resulta igualmente bem, e continua a resultar numa fantástica receita para se fazer pão delicioso e sem ingredientes extras, e perfeita para qualquer pessoa. Não há desculpas para não fazer pão em casa. Basta 1 taça. uma colher de pau e uma forma com tampa: que pode ser um tacho de barro, um tacho de ferro, um pirex, ou até um tacho normal. Desde que tenha tampa, podem avançar. Convém no entanto forrarem o interior com papel vegetal, pois com alguns materiais a massa pode agarrar, e não vale a pena arriscar.
A questão da levedação também é importante. Pode levedar 1 hora ou 12. Sempre fora do frio. Mas tem de levedar. Ou seja a massa tem de efetivamente dobrar de volume antes de a colocarem na forma para cozer. Outra questão que faz a diferença, é que o tacho ou forma onde vão cozer o pão esteja bem quente quando colocam a massa lá dentro. Por isso é importante ligarem o forno com o tacho lá dentro, com a tampa colocada, para que forno e tacho aqueçam ao mesmo tempo.
Esta massa fica uma massa pegajosa, é mesmo assim. Não é para amassar à mão. É apenas misturar/envolver a farinha a água e os restantes ingredientes e deixar levedar. No fim verter esta massa mole e húmida, com a ajuda de uma espátula, para a forma bem quente, tapar e colocar no forno. 1 hora depois, há pão deliciososo para comer.
Só uma nota quanto às farinhas. Por opção, uso farinhas biológicas, mas podem usar qualquer farinha, em qualquer proporção, para perfazer as 500g. Atenção às farinhas sem glúten! Esta receita não resulta se substituírem todas as farinhas com glúten por farinhas sem glúten. Podem usar farinhas sem glúten, desde que mantenham pelo menos 200g de uma farinha com glúten. Para quem quer receitas boas de pão sem glúten, aconselho o site da Sofia Paixão - Sem Glúten com Paixão, onde encontram óptimas receitas devidamente testadas e que resultam. Não inventem, porque o comportamento das farinhas sem glúten não é o mesmo, e exige outros ingredientes para “imitar” o efeito do glúten.
Quanto ao fermento, eu uso sempre levedura seca - 1 saqueta. Varias marcas têm quantidades diferentes: umas 5g, outras 7g, outras 11g. Normalmente uma saqueta é para usar em 500g de farinha. Vejam as indicações na levedura que usam. Levedura é fermento de padeiro, mas na forma seca, mais fácil de usar (não é preciso dissolver ) e muito mais fácil de encontrar em qualquer supermercado, além de ter uma maior longevidade, por ser seco. Em relação a fermento de padeiro fresco, nunca usei para fazer esta receita e não sei a quantidade. Mas se alguém já usou com bons resultados, e se não se importar de partilhar, deixe-me uma mensagem ou comentário com a quantidade que usam.
Posto todas estas indicações, passemos à receita.

Ingredientes:

250g de farinha de espelta biológica
250g de farinha de espelta integral biológica
1 saqueta de levedura seca 
8g de flor de sal (podem adaptar a quantidade de sal)
75g de sementes variadas (opcional)
500ml de água morna

Preparação:

Numa taça coloque a farinha, as sementes, a levedura e o sal. Misture com uma colher. Junte a água e volte a misturar com a colher de modo a ficar incorporado. Tape a taça com película aderente e guarde num local seco e longe de correntes de ar. Eu costumo colocar dentro do microondas, sem o ligar, apenas para ficar num local protegido. Deixe levedar até dobrar de volume. A levedação depende de vários factores, desde a estação do ano, às condições da vossa cozinha, e se a massa estar protegida. Entre 1 hora a 12 horas podem deixar a massa a levedar. 
Coloquem dentro do forno o tacho ou forma com tampa que vão usar, e liguem o forno no máximo, sem ventilação. Deixem aquecer até o forno atingir a temperatura escolhida.
Ao fim desse tempo retirem cuidadosamente o tacho do forno e a tampa - forrem com papel vegetal, ou se tiverem a certeza que não agarra, polvilhem com farinha - e vertam a massa da taça para a forma, ajudando com um espátula, porque a massa tende a ser pegajosa e húmida. Polvilhem por cima com mais um pouco e farinha e tapem com a tampa, e levem novamente ao forno, durante uns 50 minutos.
Ao fim desse tempo retirem a tampa, e deixe cozinhar mais 5 minutos.
Retirem cuidadosamente o tacho do forno e desenformem de imediato o pão, deixando-o arrefecer sobre uma grelha. Se não o desenformarem logo, o pão tende a ficar húmido por baixo e a enqueijar um pouco.
Deixem arrefecer um pouco antes de cortar. Se querem cortar em fatias é mesmo aconselhável que o deixem arrefecer completamente antes de o fazerem.


Bom Apetite!

Galette de Espelta com Maçã e Amêndoa


O fim de semana foi preenchido. No sábado um showcooking no Porto (obrigada a todos os que estiveram presentes), e vir para casa, jantar com a irmã, cunhados e sobrinha e um jantar de home sushi feito a 4 mãos.
Domingo almoço em casa dos pais, com a família toda reunida, o que significa chegar a casa quase às 17h. E ainda houve tempo para arrumações e organizações, que a casa e as coisas de casa não se fazem sozinhas, e é sempre preciso dedicar um tempo ao local onde vivemos!
E assim, hoje a semana começa doce. Com uma receita de “tarte” que fiz este fim de semana e que ficou muito saborosa, além de ser muito simples de fazer. Maçã, amêndoa e canela não tem mesmo nada que enganar!
Espero que também gostem! 

Ingredientes:

Massa:
250g de farinha 
1 colher de sopa de açúcar
1/2 colher de chá de fermento em pó
180g de manteiga fria 
60ml de água fria

Recheio:
400g de maças cortadas em laminas laminas
2 colheres de sopa de açúcar 
1 colher de sobremesa de canela em pó
sumo de limão q.b.
2 colheres de sopa de farinha de trigo
100g de amêndoa 

Preparação:

Comece por fazer a massa no robot de cozinha. Junte a farinha com o açúcar e o fermento e misture bem. Acrescente a manteiga em cubos e ligue o robot, em velocidade baixa, deixando que a massa se vá formando de modo a que se assemelhe a migalhas grossas. Com o robot a funcionar, junte a água em fio e deixe que se forma uma massa lisa.
Retire a massa do robot e embrulhe-a em película aderente, formando um disco. Leve ao frigorífico pelo menos 30 minutos a repousar antes de usar.
Prepare o recheio. Numa taça coloque os cubos de maçã, regue com um pouco de sumo de limão, polvilhe com a canela e junte o açúcar e a farinha envolvendo bem. Reserve.
Depois de repousar, retire a massa do frigorífico e estenda-a entre duas folhas de papel vegetal. de modo a obter um circulo com cerca de 30cm de diâmetro. Coloque a massa num tabuleiro - com o papel vegetal por baixo, e espalhe a mistura de maçãs sobre a massa, deixando uma borda de cerca de 4cm.
Dobre ou enrole depois as pontas da massa para cima das maçãs e povilhe com a amêndoa laminada ou grosseiramente picada e leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 40 minutos ou até a massa estar dourada e cozinhada.


Bom Apetite!

Tarteletes de Salmão com Alho Francês (Base sem Glúten)


Comida de sobras. Das sobras que estão no frigorífico. Daquelas que tantas vezes nos esquecemos,
Tenho como prioridade nunca deixar estragar comida. Mais ainda, tenho como prioridade não fazer nada de novo sem primeiro acabar de gasta o que já está feito. Assim nasceram estas tartes. Um bocadinho pequeno de salmão que tinha sobrado. Alho francês que estava destinado a sopa, mas que acabou na tarte, um restinho de uma embalagem de natas ácidas e o fundo de um pacote de queijo ralado. Tudo isto se transformou no recheio de uma tarte. A base foi uma experiência para fazer uma base sem glúten, e resultou muito bem, com uma massa que ficou crocante, a desfazer-se na boca e fácil de desenformar.
E assim do quase nada se fez muito. De restinhos que podiam ter acabado no lixo uma refeição para duas pessoas.
Num mundo onde a sustentabilidade está na ordem do dia, a mensagem de não desperdiçar nunca foi tão forte. Mas não pensemos apenas em sustentabilidade. Pensemos em todas as pessoas que deitam os restinhos e as sobras fora. Das pessoas que não aproveitam, que não comem comida “requentada”, que não criam coisas diferentes com o que que sobrou de outra refeição. Pensemos nas pessoas que não conhecem outro destino para os restinhos do que o caixote do lixo. E depois pensemos que no mesmo mundo onde estas pessoas deitam comida no lixo, morrem pessoas à fome. Ainda que não seja mesmo ao nosso lado, Ainda há quem deite comida boa fora, e ainda há quem morra à fome. Só isso parece-me uma boa desculpa para repensar atitudes. Sustentáveis ou não. Na ordem do dia ou não.
E não esquecendo que uma grande parte das receitas da cozinha tradicional portuguesa, tem como base o aproveitar tudo, desde o pão duro às beldroegas que cresciam no chão, ao bocadinho de bacalhau que se transformava em pataniscas para muitos...
Repensemos atitudes. 


Ingredientes para a massa: (2 tarteletes individuais)

40g de flocos de aveia (sem glúten)
70g de farinha de arroz
20g de fubá de mandioca ou amido de milho ou polvilho
1 colher de sobremesa de linhaça moída
30ml de água
sal q.b.
40g de manteiga

Recheio:

1 alho francês grande
75g de sobras de salmão cozinhado
sal e pimenta q.b.
1 ovos
75ml de natas ácidas (podem substituir por normais)
30g de queijo ralado
azeite q.b.


Preparação:

Comece por fazer a massa. Num robot ou processador de alimentos coloque os flocos de aveia, a farinha de arroz e a fubá de mandioca e triture tudo até ficar com uma farinha fina. Junte depois a linhaça, a água, o sal e a manteiga em cubos, e triture até obter uma massa. Retire e forme uma bola, juntando um pouco mais de farinha de arroz de necessário, para não colar.
Forre depois as formas de tarteletes (eu não estiquei com o rolo da massa, usei apenas as mãos, pois a massa é um pouco mole e é mais fácil de forrar assim do que usar o rolo da massa).
Pique com um garfo e leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 15 minutos.
Entretanto prepare o recheio. Corte o alho francês em rodelas finas e lave bem para retirar toda a terra.
Leve um frigideira ao lume com um pouco de azeite e cozinhe o alho francês até que este fique macio. Tempere com sal e pimenta. 
Numa taça bata o ovo com as natas e tempere com um pouco de sal e pimenta.
Retire as bases das tarteletes do forno, e no fundo coloque o alho francês cozinhado. Por cima disponha o salmão, limpo de peles e espinhas e desfeito em lascas, e verta depois a mistura de ovos e natas. Polvilhe depois com o queijo ralado.
Leve novamente ao forno, cerca de 25 a 30 minutos, até a massa estar cozinhada e o recheio firme.
Desenforme e sirva com uma salada verde.


Bom Apetite!

Imprimir