Pão de Milho com Açúcar e Canela


O Célio (do blogue Sweet Gula) escolheu esta receita para publicar no Dia Mundial do Pão, no passado dia 16 de Outubro. Eu, assim que vi as fotos (sempre lindas e de babar) mal pude esperar para o fazer. E, no dia seguinte, durante o sono da tarde do Zé Maria, lá fui para a cozinha cumprir o prometido.
Receita simples e rápida de preparar, bolo no forno. Começo a preparar um chá para acompanhar depois com o pão, e um cheiro delicioso a açúcar e canela começa quase de imediato a invadir a cozinha. De repente cheira-me a natal e a coisas boas. A minha memória recua. Vejo-me na cozinha da minha avó, com ela e o meu avô a fazer filhós. A minha avó a tendê-las e o meu avô ao seu lado no fogão a fritá-las. As carreirinhas de filhós no tabuleiro e eu a polvilhá-las de açúcar amarelo e canela. 
Uma lágrima escorre-me pela cara. O estado de saúde da minha doce avó já não lhe permite fazer filhós (ou qualquer outra coisa). E este momento que vivi tantas vezes, durante tantos natais, já é só mesmo e só memória. Mas uma memória avivada pelos  cheiros, uma memória em receita e a promessa de que, não faltarão as filhós da avó na nossa mesa, porque eu acredito que fui bem ensinada,
Entretanto o pão - que é mais um bolo pouco doce - fica pronto e como uma fatia com compota e manteiga enquanto bebo uma chávena de chá.
Obrigada Célio pela receita. E como a comida e os cheiros nos fazem lembrar momentos tão bons e felizes que nada nem ninguém pode apagar.
Bom Fim de semana!

Ingredientes:
(receita in blogue Sweet Gula - Célio Cruz)

2 c. (sopa) de manteiga c/ sal
3 c. (sopa) de açúcar granulado (usei açúcar amarelo)
1 ovo
250 ml de leite
110 g de farinha de milho
110 g de farinha de trigo s/ fermento
1 c. (sopa) de fermento em pó

2 c. (sopa) de açúcar granulado (usei açúcar mascavado)
2 c. (sopa) de canela

Preparação:

Pré aqueça o forno a 180ºC.
Unte uma forma redonda ou rectangular com manteiga e forre com papel vegetal. Reserve.
Derreta a manteiga em lume baixo, retire e junte-lhe o açúcar, o ovo, o leite e a farinha de milho. 
Bata até que todos os ingredientes fiquem ligados.
Adicione a farinha de trigo e o fermento e envolva até a farinha se dissolver no preparado anterior.
Coloque a massa na forma reservada.
Prepare a cobertura, misturando o açúcar com a canela. Polvilhe toda a massa com esta mistura e leve ao forno durante 25-30 minutos.
Sirva ainda quente com manteiga ou compota.


Bom Apetite!



18 comentários :

  1. Esse pão/bolo também me chamou a atenção quando o vi no blog do Célio...As fotografias dele têm esse efeito cativante...
    Ficou mesmo convidativo e a chávena de chá é a companhia perfeita!
    Bjinho
    Rita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é verdade Ana Rita!
      As fotografias do Célio são qualquer coisa de fenomenal. Mas esta receita é realmente deliciosa.
      Um beijinho,
      Joana

      Eliminar
  2. - Deve ser delicioso . :) beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marcia Leonor,

      É mesmo delicioso. Experimente se puder.
      Um beijinho,
      Joana

      Eliminar
  3. Tem muito bom aspeto. Acho uma boa ideia para levar amanhã para a reuniao de senhoras. bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eunice:

      Tenho a certeza de que irão gostar. É perfeito com uma chávena de chá e com compotas e manteiga

      Um beijinho,
      Joana

      Eliminar
  4. Olá Joana!
    Antes de mais, muito obrigado pela referência e fico muito feliz por teres experimentado e gostado desta receita deliciosa. É uma honra para mim ler, vindo de ti, algo como este post.
    O resultado final ficou lindo e sim é a companhia perfeita para uma boa compota e uma chávena de chá.
    Quanto a essas memórias que falas, as receitas também provocam o mesmo em mim, em particular alguns ingredientes, como a canela que também me faz muito lembrar da minha infância e do arroz doce que eu tanto gosto. Tenho a certeza que as filhós da tua avó são deliciosas assim como tenho a certeza que recebeste dela a receita e o dom de as reproduzir na perfeição.
    Mais uma vez, obrigado e um beijinho para ti e outro para a tua avó. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Célio,

      Muito obrigada pelas tuas palavras. E obrigada pelo teu blogue lindo, cheio de receitas e de fotos maravilhosas.
      Grande beijinho.
      Joana

      Eliminar
  5. Meu Deus que aspecto maravilhoso!

    www.adivaportuguesa.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada La Diva.

      Um beijinho,
      Joana

      Eliminar
  6. Anónimo19:32

    Joana, que bom que teve uma avó que vivesse tempo suficiente para poder partilhar esses momentos, memórias e ensinamentos. Que bom poder proporcionar ao resto da família essas receitas que só a sua avó faria. Ela tem é terá sempre muito orgulho em si e isso vale TUDO. que bom ainda ter avó, mesmo que seja só um pedaço do que já foi. Eu fiquei sem nenhum deles aos 20 anos. Aproveite a muito. O bolo será já este fim de semana. Para mim a minha memória é o bolo de laranja da minha Mãe feito num tacho de alumínio...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta avó de que falo ainda está viva. No entanto o seu estado de saúde está bastante debilitado e sabemos que nunca mais cozinhará - entre muitas outras coisas que nunca mais irá fazer. Mas sim, enquanto esteve bem teve o dom de me ensinar muitas coisas - a maioria das quais que eu também pude partilhar com outros.
      E sim, tenho a certeza de que nunca mais irá haver filhós feitas pela avó, mas haverá a receita das filhós da avó sempre.
      E nada como estas receitas que nos transmitem memórias tão boas. É uma das maravilhas de cozinhar. Perpetuar pessoas, lugares e sabores.

      Um beijinho,
      Joana

      Eliminar
  7. Tenho esta receita guardada para experimentar. Deve ser delicioso.

    ______________________
    Ana Teles | Telita
    blog: Telita na Cozinha


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana Teles,

      Vale mesmo a pena experimentar.

      Um beijinho,
      Joana

      Eliminar
  8. Anónimo00:07

    Não só as receitas, mas também a forma como escreves, tão despretensiosa, tão com o coração, nos transporta para momentos tão felizes como aqueles que viveste com os teus avós. Foi impossível não me emocionar com este texto, pois também eu guardo belas recordações dos tempos passados em casa dos meus avós. Também eu sinto uma ENORME saudade desses tempos. Este texto fez-me reviver esses momentos, conseguiu transportar-me para a cozinha dos avós em vésperas do dia de Páscoa, em que se vivia uma azáfama com a preparação dos folares para a família e para a vizinhança... e que bom que foi recordar esses momentos! Obrigada pela receita, mas sobretudo pelas emoções que conseguiste transmitir. Não tenho o hábito de comentar, mas sou uma leitora assídua do blogue há já algum tempo (deste e do A economia cá de casa). São para mim uma fonte de inspiração, embora ainda tenha um longo caminho a percorrer até conseguir ser assim tão organizada no que se refere à gestão doméstica. Mas ainda não perdi a esperança! :) Muitas felicidades e continua a brindar-nos com esta partilha de receitas, de dicas práticas e de sentimentos. Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana,

      Muito obrigada pelas suas palavras. Realmente a partilha que faço aqui, de receitas e não só, são "de coração". Escrevo p que sinto no momento. Este blogue é mesmo o prolongamento de mim e da minha vida. E fico muito feliz em saber que há leitores que gostam genuinamente disso.
      Um grande beijinho,
      Joana

      Eliminar
  9. Anónimo21:04

    Coragem é necessária para ultrapassar esses momentos... Também sei o que é passar a tarde a colocar açúcar com canela nas filhoses tendidas e feitas pela minha mãe....pena que a partir deste ano tal coisa nunca mais irá acontecer....também me correm lágrimas pela cara...Ela já não se encontra entre nós. Uma avó, uma mãe...um amor infinito. Muita força! Beijos para si e para o seu pequerrucho. Acredite...os filhos dão-nos muita coragem. Bem hajam
    Paula

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paula,
      Dei a impressão errada. A minha avó não morreu. Mas o seu estado de saúde já não permitirá mais vê-la a tender ou fazer filhós..
      Muito obrigada pelas suas palavras e muita força para atravessar esse momento difícil que é a perda de uma mãe.
      Bem haja pelo seu testemunho.
      Um beijinho,
      Joana

      Eliminar

Imprimir