Cupcakes de Chocolate e Manteiga de Amendoim


Há quem ache que sou demasiado fundamentalista em relação à alimentação do meu filho. Porque com um ano o Zé Maria nunca comeu uma papa “cerelac”, ou uma bolacha Maria. Porque quero evitar que coma alimentos cheios de açúcar e de sabor mais artificial. Não para sempre, como é obvio, mas agora, enquanto sou eu e apenas eu (e o pai!) que tomamos estas decisões por ele, e nós não queremos que ele coma determinadas coisas. Não tenho dois pesos e duas medidas. Se nós, os adultos cá de casa, raramente comemos alimentos processados, se compro habitualmente fruta e legumes biológicos - e agora ainda mais com a horta - se tenho o cuidado na escolha dos peixes e carnes que consumimos, parece-me que, com um filho de um ano devo, ainda mais, ter esse cuidado com ele.
E depois ele come papa na mesma - mas de aveia - e que é muito, mas muito mais barato e saudável que qualquer “cerelac” do mercado. Não come bolacha, mas come fruta, ou um bocadinho de pão escuro, o mesmo que nós comemos. (Já me basta ter de lhe dar leite adaptado - o que já é “artificial” que chegue, mas essa trata-se de uma questão de “sobrevivência” e não de escolhas.)
Como mãe e consumidora, parece-me impossível que iogurtes próprios para bebés a partir dos 6 meses, contenham cerca de 8g de açúcar por 100g, e que o aroma natural só exista na versão açucarada. Estamos a falar de crianças de meses - será que há necessidade? Nada melhor do que oferecer um simples iogurte natural de qualquer marca… Mas pronto, isto são preocupações de uma mãe “fundamentalista” com a alimentação da sua criança. 
Ainda assim uma mãe que de vez em quando dá à criança um boião de fruta de compra (dos 100% fruta sem adição de açúcar, mas mesmo assim “processado”). E uma mãe que faz bolos para o primeiro aniversário do rapaz cheios de chocolate e açúcar e manteiga de amendoim, mas que, por enquanto, não o deixa comer!

(Entretanto deixo a informação de que vai haver um novo workshop no Porto, nos Workshops Pop-Up, na Rua do Almada, 275, nos dias 11 ou 12 de Outubro pelas 15h. O tema  - Sobremesas Rápidas para Impressionar. As inscrições já começaram. Qualquer informação acerca do workshop façam-na para o seguinte endereço info@workshops-popup.com)

Ingredientes para 12 unidades:
(adaptado de Saberes & Sabores - vaqueiro, Verão de 2013, página 18)

Massa de chocolate:

75g de chocolate
75g de manteiga
75g de açúcar
2 ovos pequenos
75g de farinha
25g de maisena
1 colher de sopa de cacau em pó
1 colher de chá de fermento em pó
1 colher de chá de bicarbonato de sódio

Massa de Manteiga de Amendoim:

125g de manteiga de amendoim
80g de açúcar amarelo
1 colher de café de bicarbonato de sódio
25g de chocolate picado grosseiramente
1 ovo pequeno

Preparação:

Comece pela massa de chocolate. Parta o chocolate e a manteiga em pedaços, junte o açúcar e leve a derreter ao microondas durante 1 minuto em potência máxima. Mexa bem até o chocolate estar derretido e a mistura homogénea. Adicione depois os ovos, a farinha, a maisena o cacau o fermento e o bicarbonato de sódio. Mexa bem até ficar com uma mistura homogénea.
Coloque depois esta mistura em caixinhas de papel colocadas previamente dentro do tabuleiro ou formas de queques e divida a mistura pelas forminhas, cerca de 1 colherada de massa em cada forma. Coloque no frigorífico.
Entretanto prepare a mistura de manteiga de amendoim. Numa tigela coloque a manteiga de amendoim, o açúcar, o bicarbonato de sódio, o chocolate picado e o ovo e misture tudo muito bem, levando ao frigorífico cerca de 30 minutos.
Depois desse tempo divida a massa de manteiga de amendoim em 12 bolinhas e achate-as. Coloque-as depois sobre a massa de chocolate que se encontra já nas forminhas.
Leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 25 minutos.
Retire do forno e deixe arrefecer antes de retirar as forminhas de papel do tabuleiro.


Bom Apetite!

43 comentários :

  1. Olá bons dias!:) Que bela sugestão nos trás hoje!
    Devem ser espectaculares estes cupcakes.
    Realmente tem razão no que diz, em relação aos iogurtes, não que seja mãe(por enquanto), mas é mesmo muita quantidade de açúcar!!!Um exagero!!!
    Continuação de boa semana, jinhos
    http://cozinha100maneiras.blogspot.de/

    ResponderEliminar
  2. Bom dia.
    Não te considero nada "fundamentalista", muito pelo contrário, penso tal como tu sobre os assuntos da alimentação. Infelizmente ainda não sou mãe, e está a ser um processo um pouco complicado e doloroso. Mas quando o for com certeza serei "fundamentalista" como tu! Não se compreende a quantidade de açúcar e aromatizantes artificiais que a alimentação infantil consegue ter. Tudo para que os miudos gostem e fiquem "viciados" naqueles produtos e depois quando tentamos dar-lhes algo mais natural eles não comem.
    Quanto à receita parece deliciosa e por isso vou levar comigo :)

    Beijinhos
    Cláudia
    http://vidadeprazeres.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. Partilho do seu "fundamentalismo"! Beijinhos e parabéns, para si e para o Zé Maria =)

    ResponderEliminar
  4. Anónimo13:38

    Não tenho filhos, mas se tivesse faria o mesmo que a Joana faz. A quantidade de açúcares e gordura que os iogurtes têm, mesmo os 'normais' (basta pensar que cada iogurte dito 'cremoso' ou grego tem 10% do seu peso em gordura) é inacreditável. Já para não falar de aditivos artificiais e outros.... Um simples iogurte natural não açucarado talvez seja a melhor opção. Ou então fazer iogurte em casa. Quanto a papas e cereais, há alternativas muito mais saudáveis e muitíssimo mais baratas. Eu própria já me rendi à aveia e a mueslis ou granolas sem açúcar. Fico abismada com a área que esses produtos ocupam nos supermercados... deve ser um quebra-cabeças escolher uma embalagem de cereais... mas a intenção deve ser mesmo essa!
    Ser um consumidor informado e consciente não é fundamentalismo, mas antes exercício de cidadania!
    Marta

    ResponderEliminar
  5. Anónimo14:22

    Olá Joana! o meu filho faz 4 anos na próxima semana e até ter 18 meses só comia iogurtes naturais, depois começou a comer alguns dos outros.....não lhe punha sal na comida, não comia de tudo, ou seja, à base de cozidos e grelhados, até hoje nunca comeu fruta de boião.
    Nos dias de hoje já come de tudo um pouco, as refeições já são conjuntas, adora sopa, não é muito dado a doces nem gorduras, mas já existem coisas, até por força da publicidade existente que me vai pedindo, vou cedendo com moderação a algumas coisas. Isto para dizer, que sempre foi muito saudável, nunca teve uma febre, foi sempre percentil 95 tanto no peso como na altura....e respira alegria. Por isso, não ligue ao que se diz, cada mãe é que sabe. beijinho, Vanessa.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo15:47

    Concordo consigo, e tento fazer o mesmo com a minha filha (18 meses). Nos dias de hoje e com tanta informação ainda há gente que olha pra nós e pensa ou diz: "coitadinha não pode comer nada (doces)". Enfim... Na creche da minha filha vi darem Estrelitas e Nestum a bebés de 1 ano, 1 ano e pouco. Pedi para não darem à minha....lógico. Reparei que para alguns pais aquilo era normal. A pediatra tirou a papa (é o lanche da creche)à minha filha e desde então faço iogurtes naturais com fruta cozida sem açúcar adicionado, e ela adora. Já agora como faz as papas do seu filho? Bjinhos

    ResponderEliminar
  7. Olá,
    Peço desculpa mas fiquei com um dúvida em relação ao seu texto. A minha filha só começou a beber leite de vaca com um ano. Se não dava ao seu filho os iogurtes próprios para bebés, dava ao seu filho iogurtes naturais de leite de vaca? Peço desculpa pela pergunta disparatada mas fiquei curiosa para saber se existe uma alternativa mais saudável aos iogurtes para bebés.
    Obrigada,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Nocas,
      Para responder à sua pergunta... Não é "Se não dava ao seu filho os iogurtes próprios para bebé". Na realidade o meu filho, que só agora completou um ano, poderia, se eu quisesse, ter começado a comer iogurtes próprios para bebé, preparados com leite adaptado em vez de leite de vaca. O que acontece é que eu nunca lhe dei iogurte. E, enquanto não lhe der leite de vaca - que continuo sem dar a conselho do pediatra - também não come iogurtes de nenhuma espécie.
      Eu, enquanto consumidora, mas principalmente enquanto mãe recuso-me a dar ao meu filho um iogurte que é vendido como "especial" para bebé, mas que na realidade tem mais açúcar do que um iogurte normal natural, e, se continuarmos a ler com atenção a rotularem do mesmo, tem muito mais "porcarias" incompreensíveis na sua composição do que o banal iogurte natural.
      Portanto, eu simplesmente nunca lhe dei iogurte. Dou-lhe papa de aveia, pão, fruta e o leite dele nos intervalos das principais refeições.
      Espero ter-lhe esclarecido a sua dúvida.
      Joana Roque

      Eliminar
  8. O açúcar é mais viciante do que a cocaína! E é quase impossível hoje em dia comprar produtos (baratos) com baixo conteúdo de açúcar!
    Força com essas receitas! São uma inspiração para todos nós! Com ou sem crianças!
    E comer um bolinho em dia de festa também não é crime! :)

    ResponderEliminar
  9. Anónimo19:46

    Como tudo na vida, estas questões variam muito de pessoa para pessoa.
    Cada um de nós é diferente. No meu caso, que sou hipoglicémica, tudo o que tiver açúcar é bom. :)
    Também sou muito magra e não consigo engordar, por isso um iogurte grego é o ideal, e tudo o que tiver açúcar ajuda.
    Acho que a Joana faz uma opção correcta com o filhote dela, mas como disse, cada caso é um caso.
    Susana

    ResponderEliminar
  10. Anónimo23:14

    Não me interprete mal, mas digo-lhe que quando somos demasiado fundamentalista com algo, estamos com algum transtorno obsessivo/compulsivo, como em tudo deve imperar o bom senso e agir com naturalidade comer comidas saudáveis que todos sabemos , agora andar como louca a ver rótulos de produtos, calorias, corantes, conservantes, açúcares, não me parece normal, como se sentirá uma crisnça quando for para o colégio e a mãe lhe mandar uma marmita com comida diferente de todos os outros? Sim porque de certeza que não vai aceitar os menus dos colégios que são saudáveis mas normais . Enfim a joana é que sabe...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá!
      Eu não a/o interpreto mal. Mas acho que a/o anónimo me interpretou mal a mim.
      Em primeiro lugar obrigada pela sua preocupação com o estado das minhas faculdades mentais, mas creio estar tudo bem.
      Em nenhuma parte do meu texto me viu dizer que "andava como louca a ver rótulos de produtos", nem sequer que não ia "aceitar os menus dos colégios que são saudáveis mais normais."
      Eu apenas estou a focar UM ponto que a mim, enquanto consumidora e mãe, me parece importante. Produtos ditos para bebé - neste caso os iogurtes porque são supostamente um produto saudável - que contém imenso açúcar e extras completamente desnecessário quando estamos a falar da alimentação de um bebé. E curiosamente quem me chamou a atenção para isso foi... o pediatra do meu filho que também não concorda muito com esse tipo de produtos.
      Aliás, creio que se voltar a ler o que escrevi com um pouco mais de atenção, poderá ler
      "Não para sempre, como é obvio, mas agora, enquanto sou eu e apenas eu (e o pai!) que tomamos estas decisões por ele"
      Sou "fundamentalista" nesta fase da introdução de novos alimentos e de introdução à alimentação familiar. Não me parece correto - para mim - como vi há dias, crianças de um ano a comerem 2 iogurtes "inhos" ao lanche, e nuggets de frango ao jantar com batatas fritas. É esse tipo de alimentação infantil que eu não concordo.
      Leio os rótulos dos produtos alimentares do meu filho, como leio o de qualquer outro que compro cá para casa. No caso dele, que tem 1 ano, parece-me realmente importante saber com o que lhe estou a dar.
      Curiosamente também disse no mesmo texto que já lhe dei fruta em boiões. Toda a gente sabe que o ideal é a fruta ao natural... Para ver como sou "fundamentalista" com alguma conta, peso e medida, dentro daquilo que considero razoável (Que eu, Joana, considero para o meu filho, Zé Maria!)
      Não sei se a/o anónimo tem filhos. Se tiver, certamente que o médico ou pediatra que acompanha os seus filhos lhe terá chamado a atenção para pormenores como não dar doces, não dar sumos, não dar bolos.... muito menos antes dos 2 anos. E as minhas preocupações e "fundamentalismos" referem-se a essa faixa etária específica para a qual fui alertada pelo pediatra do meu filho.
      (Se não tem filhos, então está explicado o porquê de achar que eu vejo os rótulos como "louca". É caso para dizer a frase que quem não tem filhos não gosta: "quando tiver filhos vai ver como é")
      E porque é que o meu filho, na escola, não haveria de comer o que os outros comem? Que eu saiba os menus das escolas são elaborados por nutricionistas de acordo com aquilo que é considerado uma alimentação saudável, com sopa, legumes, saladas, carne ou peixe, hidratos e fruta. Para mim é perfeito. É o que ele como em casa.
      Só um pequeno a parte. Tenho um "sobrinho" de oito anos que não foi habituado a comer coisas muito açucaradas, também a conselho do pediatra (evitar ao máximo coisas processadas e com açúcares adicionados). É capaz de passar por uma mesa de doces e não tocar em quase nada. Ainda hoje gosta de iogurtes naturais que come sem açúcar. E come peixe grelhado e salada como há adultos que não comem. E claro, como todas as crianças gosta de gomas, ice tea, e macdonalds... que come de vez em quando. Isto sim parece-me um "fundamentalismo" equilibrado.
      Como a/o anónimo diz, na verdade são os pais que sabem o que é melhor para os seus filhos. Curioso é eu ser chamada de "louca" e de ter um distúrbio obsessivo/compulsivo porque quero evitar que o meu filho COM UM ANO coma alimentos processados com ingredientes desconhecidos ou carregados de açúcar adicionado.
      Apesar da norma ser dar papa "Cerelac" e dar iogurtes "inhos" e dar bolachinhas aos meninos. Eu não quero dar e não dou. Porque tenho vontade suficiente para fugir à norma e tentar algo diferente. Porque na verdade faço-o pelo Zé Maria. Porque para mim isso também é educar.

      Joana Roque

      Eliminar
    2. Anónimo07:27

      O meu come iogurtes naturais e gosta. Aliás prefere iogurtes sem açúcar. Por cá tb fazemos muitas vezes papas de aveia para o pequeno almoço ou lanche e adocamos com fruta ralada. Hoje com tres anos é mais difícil fugir ao açúcar porque a família gosta de os entupir com doces, porque os amigos presenteiam-nos com rebuçados mas continuamos a racionar tudo o que recebem. Ao ler certos comentários fico com a sensação que as pessoas acham que por uma criança não comer açucares é mais infeliz. Não percebo. Comer pouco açúcar devia ser a regra não a exceção.
      Paula

      Eliminar
  11. Anónimo01:03

    Joana o termo como louca é uma força de expressão, não me estava a dirigir a si em concreto.
    Tenho 3 filhos, e sim continuo a não achar normal, comportamentos obsessivos, seja com o que for, não acho normal uma criança de 1 ano a comer pão escuro, nunca ter comido uma bolacha maria, nunca ter comido cerelac, não come iogurtes, só comer papa de aveia . Os meus filhos comem comida saudável, não comem doces nem nuggets com batatas fritas salvo excepções e dias de festa, em relação ao menu dos colégios vê-se que não tem conhecimento de causa, os meus filhos frequentam um colégio privado super conceituado com menus elaborados por nutricionista, que se a joana vi-se o menu teria um ataque....á não se escandalize eles no colégio 1x por semana comem batatas fritas, e também douradinhos, iogurtes de aromas, pão branco, pão com doce/marmelada e etc....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara anónima,

      Antes de mais obrigada por trazer um ponto de vista diferente. A discussão saudável de pontos de vista diferentes só nos enriquece a todos.
      Como já expliquei acima, é apenas e só uma questão de opção.
      Come pão escuro - de centeio ou de mistura, porque é o pão que nos comemos em casa. Por norma não compro pão branco. Recuso-lhe o outro? Claro que não. Come-o nos restaurantes e em casa de outras pessoas. Fico com problemas de consciência? Nem fico a pensar nisso.
      Nao come bolacha Maria porque, para já esegundo o pediatra dele, não traz nenhuma vantagem nutricional a não ser educar para o doce. Optei por não dar, por enquanto. O mesmo com os iogurtes. Não bebe ainda leite de vaca, portanto iogurtes só preparados com leite adaptado. Mais uma vez não são essenciais na alimentação porque ele bebe leite. O pediatra referiu se eu ja tinha visto a composicao deles. Disse-me para ver e tirar as minhas proprias conclusões. Foi o que fiz. Dada a quantidade de açúcar prefiro esperar para dar iogurtes normais.Mas se quiser dar posso dar. Optei por não dar.
      Papa de aveia vs papa industrializada: a mesma coisa. Menos acucares adicionados. Tenho ima opção mais saudável que prefiro. Ele adora. Mas também tenho uma embalagem da outra papa em casa. Se for necessário. Se dava? Claro que sim, sem pesos de nenhuma espécie.
      A alimentação nas escolas então dava para alimentar o blogue um mês com esse tema... mais uma vez. Ou comem e não pensamos mais nisso, ou mandamos comida de casa, como tantos pais fazem, não só por uma questão alimentar, mas também por uma questão economica. (Pagar um dinheirão pela alimentação para depois lhe darem douradinhos congelados.....)
      Em ultimo caso - e conheço exemplos em portugal- reunir as comissões de pais, que existem para alguma coisa e, como pais conscientes e atentos tentar fazer mudanças. Que tal douradinhos e batatas fritas 1x por mês em vez de todas as semanas?

      Enfim, cada pai saberá o que e mais adequado ao seu filho. Certamente que estas questões só nos podem deixar a pensar sobre o assunto de modo a tomarmos as opções que consideramos mais corretas. Aliás tenho quase todos os dias discussões saudáveis deste género... dos mesmos que me acham assim "fundamentalista".
      Um beijinho
      Joana roque

      Eliminar
  12. Anónimo01:30

    Também acho que a alimentação levada ao extremo não é saudável, como não é saudável do ponto de vista mental, ler os rótulos de tudo e mais alguma coisa, lavar as mãos 150 vezes, verificar 20 vezes se a porta está fechada, obsessão por limpezas, não ir a casa de banho públicos, enfim todos estes comportamentos são de origem compulsiva, porque existe uma preocupação exagerada e estas pessoas não tem equilíbrio, tem opinioes extremistas do género tudo ou nada.

    ResponderEliminar
  13. Anónimo09:06

    Olá Joana... tenho um bebe de cinco meses. Mamou em exclusivo até agora e esta semana introduzi aos poucos a soupa.

    tive a sorte de podes amamentar e até agora pouco ou nada me preocupei porque sei que o meu leite é bom e lhe dá todos os nutrientes possiveis. Agora sim começa o desafio, com a alimentação diversificada.

    A Joana poderia dizer-me como é que faz as papas para o ZM comer?

    um beijinho gd

    TR

    ResponderEliminar
  14. Anónimo09:30

    O meu filho comeu papas durante uma semana aos 6m para testar alergias (e só mesmo por isso). Para além disso, nunca comeu papas e ainda hoje não come. Iogurtes começou aos 12 m e sempre dos "normais" (no caso dele, 0% lactose). Quando fez um ano, o bolo de anos foi um crumble para que também ele pudesse comer do próprio bolo. Não sou fundamentalista. A partir do ano, começou a comer de tudo. Ou seja, o mesmo que nós comíamos em casa e a experimentar sempre tudo o que quis. Em casa também não utilizo alimentos processados, a comida é sempre "caseira". Come gelados, come sushi, come tudo e não é esquisito. Não dei papas por achar que são apenas farinha e engorda meninos. Fruta, iogurte, leite e semelhantes são óptimos lanches para bebés.
    Mas para que os nossos filhos tenham uma alimentação saudável acho importante o exemplo vir dos pais e tudo ser natural e sem dramas. Ou seja, acho muito importante ir deixando experimentar novos alimentos quando eles mostram curiosidade.

    ResponderEliminar
  15. Bom dia Joana,

    Eu também opto muitas vezes pela papa de aveia para o meu bebe de 7 meses. Gostava de saber como e que a Joana faz a papa para o seu bebe com leite adaptado.

    ResponderEliminar
  16. A Joana está a agir de forma correta e muito consciente. Faz muito bem não atafulhar o seu filho com essas porcarias processadas, bem basta quando ele crescer, começar a frequentar festas e andar na escola, lugares onde a mãe e o pai não podem controlar o que comem.
    Se a Joana fosse alguma obsecada não colocaria aqui no blog tanta receita calórica!
    Agora uma mãe é obsecada por querer o melhor para a saúde do filho, poder fazê-lo, saber fazê-lo "porque não saber é o problema de muita gente"!
    Continue assim e não ligue a comentários que a julgam sem sequer a conhecer. Olhar para os rótulos dá trabalho......

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo12:41

      Exactamente Petra, as mães que alimentam os filhos, de forma diferente de si, são más mães, e não sabem fazê-lo, já vi que para além de obtusa, deve ser doutorada em alimentação infantil, sim porque só as doutoradas é que lêem os rótulos.... sabe por existir pessoas que pensam assim, é que os filhos depois na escola sofrem, porque são os chamados totós, meninos copos de leite, que os Pais monotorizam como robots, sabe quem ganha com isto são os psicólogos...

      Eliminar
    2. Não quero que se zanguem por aqui.

      Eliminar
    3. Joana Sousa17:21

      É por causa de pessoas assim como o/a sr/sra Anónimo que a sociedade está assim. Ligam ao que os outros pensam em vez de se destacarem pela positiva. Ser diferente não é um problema ou defeito, não tem de ser uma anormalidade.
      Eu não tenho filhos, tenho 24 anos, sempre comi tudo o que a minha família comia, e sempre comi na escola. Mas ao aperceber-me do quão processados são os alimentos à venda nos supermercados decidi que tinha de fazer uma mudança. Os alimentos mais saudáveis são mais caros, mas é possível fazer uma ginástica financeira e escolher produtos bons e baratos e confeccionar tudo em casa.

      Apenas gostava que houvesse mais pessoas como a Joana, ler os rótulos dá trabalho sim, apenas devido a termos inapropriados que ninguém conhece e a letras minúsculas que as pessoas precisam de lupa para ler.

      Hoje em dia, eu faço as compras com a minha mãe, evito ao máximo alimentos processados, opto por levar fruta e bolachas feitas em casa para a faculdade como lanche e levo o meu almoço e jantar sempre que posso, porque a comida nas cantinas limita-se a arroz e batatas fritas no mesmo prato.

      Posso ser apelidada de termos como fundamentalista e tolinha até, mas se eu não cuidar da minha saúde, ninguém o irá fazer. Ah, também vou ao McDonals de longe a longe com amigos, mas se quiserem ir todos os fins de semana? Não vou, ou se vou não como nada, porque eu decido que é demais para mim.

      Parabéns Joana pelo trabalho com o seu filho e com o seu blogue.

      Eliminar
    4. Anónimo18:01

      Permita-me a indescriçao se gosta de comida saudável vem aqui a este blog fazer o que? Isto é a mesma coisa de não acreditar em deus e ir á missa.... Existe aqui muito pecado da gula.... Ana martins

      Eliminar
    5. Anónimo18:22

      Ah Ah Ah e o mais engraçado é o título do post CUPCAKES DE CHOCOLATE e MANTEIGA de AMENDOIM, não é brócolos biológicos com pescada biológica capturada no Atlântico Nordeste com ovo biológico de origem da quinta das mercês... Regado com azeite biológico de origem dop by quinta de vale cavalos. Lol Patrícia Pinto

      Eliminar
    6. Joana17:06

      Para terminar, há quem goste de cozinhar para a família. Mesmo quem é saudável gosta de numa festa comer algum doce, existe uma enorme diferença entre comida saudável para o dia-a-dia e um doce de vez enquando. Deixem-se de criticas sem fundamentos, o blog serve o seu propósito, descobrir receitas novas, para todos os dias e para de longe a longe, como qualquer blog de culinária serve!

      Eliminar
  17. Eu raramente comento aqui e é raro verem-me onde há confusão, mas hoje estou destemida. Sempre comi de forma saudável, diversificada e acredito no equilíbrio e no "dias não são dias". Equilíbrio na alimentação é a fórmula exata para mim. Sou mãe e concordo na parte dos doces nas crianças. Quanto mais tarde as crianças provarem doces e não só, melhor para elas no futuro. Só estamos a ajudar-las a viver melhor quando nós mães não estivermos por perto. Lá na minha casa havia muito o vício do Ice Tea e chegava ao ponto de terem sede e beberem o refresco em vez de água. Com afinco e determinação decidi mudar esse hábito e hoje em dia às refeições todos bebem água. Claro está, em dias de exceção ice tea. (para que não digam que há sumos naturais melhores, também os faço muitas vezes, mas estou mesmo a falar de coisas "artificiais"). Agora um reparo fora da alimentação... Acham mesmo necessário adjetivar a dona deste blogue de compulsiva? carla sousa

    ResponderEliminar
  18. Anónimo14:13

    Em momento algum disse que a Joana é obsecada, o que disse é que os pensamentos demasiados extremistas/fundamentalistas revelam transtornos obsessivos, como alguns comentadores acabam por me dar razão, pois não aceitam as opiniões contrárias nem o meio termo ou ponto de equilíbrio. Devemos respeitar a opinião de cada um, e ninguém é dona da verdade, simplesmente acho certos comportamentos exagerados, só isso.

    ResponderEliminar
  19. Anónimo14:36

    O minha experiencia tem sido: tenho 2 filhos de 11 e 7 anos, sempre lhes dei uma alimentação baseada naquilo que considero o mais saudavel, nada de iogurtes, papas, bolachas, leites especiais para bebés! Nunca dei papa aos meus filhos enquanto bebés ( desconhecia as papas de aveia) sempre fiz os iogurtes em casa ..que eles adoram... a minha filha mais velha comeu o seu 1º bolicao aos 9 anos pois queria saber o que era....andam em colegio privado...nunca se sentiram "umas aves raras" pela mae gostar de preparar tudo ..alias até tem orgulho nisso ...e mtas vezes tb faço iogurtes para o coleguinhas e bolos caseiros com muito menos açucar e eles adoram!! faço eu bolachas ...e até aos 3 anos sempre comeram na base de cozidos...e que se bem feitos podem ter imenso gosto e sabor!! desenvolvi varias receitas que as passo às minhas amigas! Posso afirmar com bastante orgulho ( pode até nem ser pela refeição) mas nunca os meus filhos tomaram antibióticos ( até hoje) e o mais nem sequer uma constipação que seja!! por isso acho que devemos fazer uma alimentação para os nossos filhos de acordo com a nossa consciência e não aquilo que para uns poderá ser "socialmente correcto"

    ResponderEliminar
  20. Anónimo18:11

    Olá Joana, antes de mais parabéns pelo seu blog, pelos livros e por ser a pessoa que é. Tenho uma dúvida, não posso comer amendoins, o que poderei usar para substituir a manteiga de amendoim na receita? Obrigada.
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ana,

      Se são só amendoins que não pode comer, experimente usar manteiga de amêndoas ou de outros frutos secos. Creio que pode encontrar nas lojas de comida natural tipo Celeiro. Ou então pode fazer em casa. Basta apenas triturar os frutos secos com um robot de cozinha potente até que fiquem em pasta - o que acontece com a libertação dos óleos naturais dos frutos secos à medida que vão sendo moídos.
      Se por acaso for um problema com todos os frutos secos é mais difícil arranjar um substituto....
      Um beijinho,
      Joana

      Eliminar
    2. Anónimo22:00

      Obrigada pela ajuda, vou experimentar com amêndoas. :)

      Eliminar
    3. Ana,
      Depois conte como correu a experiência com amêndoas!
      Um beijinho,
      Joana

      Eliminar
    4. Anónimo07:30

      Bom dia Joana, já fiz a receita com as amêndoas e ficou uma maravilha, receita aprovada. Substitui os 150g de manteiga de amendoins por 150g de amêndoas e uma colher de sopa de manteiga, triturei tudo e segui a receita. Obrigada mais uma vez.
      Ana

      Eliminar
    5. Ana,
      Ainda bem que correu bem.
      Obrigada por ter vindo contar.
      Um beijinho,
      Joana

      Eliminar
  21. Estes vou fazer em breve, de certeza! Bjinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depois conta como correu!
      Um beijinho,
      Joana

      Eliminar
  22. Anuncia grátis e sem limites - http://www.ocosmos.pt/

    ResponderEliminar
  23. Cara Joana
    Antes de mais, Parabéns por seres a pessoa linda que és. Parabéns pelo pelos teus blogs que sigo há já muitos anos: este desde 2008 e A Economia Cá de Casa, desde o início.
    Claro que com a tua experiência já sabes que quem "dá a cara" por aqui, está sempre sujeita a incompreensões e distorsões. Por outro lado, há sempre gente incompreensiva que não aceita os pontos de vista dos outros e fàcilmente os deturpa ao ponto de ofender. A esses, acho que nem se deve dar resposta. Normalmente essa atitude tem por base a ignorância e não o fazem por maldade, mas é sempre desagradável.
    Posto isto, vamos ao que interessa. Tens toda a razão em alertar os leitores que por aqui passam, para esse grande problema dos alimentos processados (modificados, com corantes químicos, adoçantes perigosíssimos como o espartame e outros, intensificadores de sabor) e para o excesso de açúcar de quase todos os leites para crianças, iogurtes, cereais de pequeno almoço, refrigerantes, etc. Basta ler a revista da DECO Associação de Defesa dos Consumidores ou ir ao seu site para se certificarem. Nunca se perguntaram por que é que de há uns anos para cá há nascem tantas crianças com diabetes, ou adoecem com leucemias? Claro que não é só por este motivo, mas ele pode despoletar e agravar quem é mais frágil.
    Por isso, Joana, toda a informação é benéfica! Nós já sabemos que muita gente não a assimilará, mas são muitos os que já estão atentos e este tema e a tentar seguir as melhores regras na alimentação própria e na dos filhos. Pelo menos, já viste que tens aqui todo o apoio das leitoras mais esclarecidas. Bjs. Bombom

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Bombom!

      Obrigada pelas suas palavras.
      Na verdade eu só estava a dar a minha opinião a dizer como faço com o Zé Maria e a expor um ponto que me parece muito importante.
      Claro que nuca disse que só o meu ponto de vista estava correto e que os outros faziam mal. Disse que o fazia e porque o fazia, deixando o resto à consideração.
      Uns compreendem e outros não, como tudo na vida. Estou a ver que a Bombom é da minha opinião.
      Um beijinho,
      Joana

      Eliminar
    2. Anónimo12:56

      BomBOm, por favor não induza as pessoas em erro, dizer que a Leucemia pode ser provocada pela alimentação, é de uma leviandade e de falta de respeito para com os doentes que sofrem desta doença. Helena Tavares

      Eliminar
  24. Anónimo17:07

    Uma pergunta, se eu usar farinha já com fermento, não preciso adicionar a colher de chá de fermento à massa de chocolate, pois não?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em principio não. Mas de qualquer maneira eu juntava um bocadinho de fermento em pó na mesma.

      Um beijinho,
      Joana

      Eliminar

Imprimir