Tarte de Frutos Secos e Sementes de Abóbora


Finalmente a conseguir folhear os meus novos livros de cozinha, oferecidos no natal. A deixar-me ir com as receitas que me chamam a atenção, marcando-as com post-it para ir fazendo. 
A receita de hoje chamou-me a atenção no primeiro minuto. Tanto que o livro ficou dias aberto nesta página à espera da oportunidade para finalmente fazer a tarte. Achei curioso o uso dos flocos de aveia na base, em vez da utilização de uma farinha de trigo convencional, da adição das sementes no recheio da tarte, e da versatilidade de se usarem vários frutos secos juntos, em vez de apenas a amêndoa.
Eu achei a tarte deliciosa e difícil de se parar de comer. E uma sobremesa ideal para um almoço de família durante o fim de semana.

Ingredientes:
(in “ Sem Glúten com Paixão” - Sofia Paixão, página 223)

Base:
200g de flocos de aveia
80g de açúcar de coco (podem usar mascavado)
70g de manteiga
1 ovo

Recheio:
100g de nozes
75g de amêndoas sem pele
50g de sementes de abóbora
70g de manteiga
100g de acúcar de coco (ou mascavado)
25ml de bebida de aveia (ou leite ou outra bebida vegetal)

Preparação:

No robot de cozinha coloque os flocos de aveia e o açúcar e triture até obter uma mistura fina. Junte depois a manteiga e o ovo e misture até obter uma massa.
Forre o fundo de uma tarteira de fundo amovível com a massa (apenas o fundo) e alise com uma colher ou uma espátula. Leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 15 minutos.
Entretanto prepare o recheio. No robot de cozinha coloque os frutos secos e as semnetes de abóbora e triture ligeiramente só para partir os frutos, mas sem ficarem desfeitos e farinha.
Numa caçarola coloque coloque a manteiga, o açúcar e a bebida de aveia e deixe derreter, Junte depois os frutos secos picados, envolva bem e deixe cozinhar 5 minutos, mexendo ocasionalmente.
Retire depois a tarte do forno e espalhe  recheio por cima e leve ao forno mais 15 minutos até caramelizar.
Deixe arrefecer completamente antes de desenformar e servir.


Bom Apetite!

Empadão de Puré de Abóbora com Bolonhesa de Cogumelos


Mais uma refeição sem carne nem peixe. A aproveitar as abóboras que continuam a vir no cabaz de vegetais todas as semanas, e a tentar não recorrer também aos ovos que são a minha “segurança” natural nestes dias sem carne nem peixe.
Há sempre muitas alternativas a refeições sem carne nem peixe, e desta vez decidi fazer um empadão usando os cogumelos como protagonistas e, em vez de batata usei puré de abóbora assada, que é actualmente um acompanhamento que gostamos imenso cá em casa, e que acompanha lindamente carnes assadas, por exemplo.
Aqui fica então este empadão, como sugestão de uma refeição diferente, mas que já não abdicamos cá em casa.
Espero que também gostem!

Ingredientes para 4 pessoas:

500g de cogumelos brancos frescos
250ml de polpa de tomate 
1 colher de chá de tomilho seco
3 dentes de alho
1 cebola 
azeite q.b.
sal e pimenta q.b.

1 abóbora butternut com cera de 750g
100ml de leite de coco
1 colher de sobremesa de noz moscada
nozes picadas q.b.

Preparação:

Corte a abóbora ao meio e e retire-lhe as sementes com a ajuda de uma colher. Coloque a abóbora num tabuleiro de forno forrado com papel vegetal e regue com um fio de azeite. Leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 45 minutos ou até a abóbora estar bem macia. Retire e reserve.
Entretanta limpe bem os cogumelos e lamine-os.
Pique a cebola e os dentes de alho e leve ao lume, numa frigideira com um pouco de azeite, deixando refogar. Junte depois os cogumelos, tempere com sal, pimenat e o tomilho seco e deixe cozinhar em lume brando. Junte depois a polpa de tomate, envolva bem, reifique os temperos e deixe cozinhar mais uns minutos para apurar. Retire e coloque num fundo de um pirex ou assadeira que vá ao forno e à mesa.
Entretanto retire a polpa à abóbora e coloque-a no robot de cozinha ou processador de alimentos. Junte depois o leite de coco e a noz moscada e triture até obter um puré homogéneo e liso.
Coloque por cima da bolonhesa de cogumelos cobrindo tudo. Por cima polvilhe com as nozes picadas.
Leve novamente ao forno apenas para gratinar a superfície.
Sirva com uma salada de folhas verdes.


Bom Apetite!

Almôndegas de Porco com Limão em Molho de Tomate Aldrabado (com Abóbora Esparguete Assada)


Na última ida às compras lembrei-me de comprar carne picada para fazer uma coisa que já não fazia há algum tempo:  um rolo de carne, com um pequeno “twist” que vos darei conta daqui a mais uns dias. Acabei por comprar um pouco mais de carne, porque me lembrei também de fazer umas almôndegas.
Acabei por temperar esta versão de alôndegas com ervas e limão, o que lhes confere um sabor mais fresco. E em vez de um molho de tomate mais convencional, acabei a por em prática uma ideia da Donna Hay, até porque tinha em casa um frasco de polpa de tomate biológica, perfeita para isto mesmo.
A receita torna-se assim ainda mais simples e rápida de preparar, e é uma boa alternativa quando o tomate não está em época, ou não temos disponibilidade para fazer o nosso próprio molho de tomate. E para variar, usei abóbora esparguete assada para acompanhar as almôndegas, em vez do clássico esparguete ou puré!
Espero que gostem!

Ingredientes para 4 pessoas:

500g de carne de porco picada (pedi no talho para picar carne de bifanas/perna)
1 colher de chá de raspa de limão
sal e pimenta q.b.
1 gema de ovo
4 colheres de sopa de pão ralado ou farinha de mandioca
2 dentes de alho
1 colher de sopa de ervas da provença

Para o molho de tomate aldrabado:
2 dentes de alho
200ml de polpa de tomate (eu gosto de usar uma biológica do Aldi)
1 pernada de manjericão fresco
sal e pimenta q.b.
azeite q.b.

Preparação:

Numa taça coloque a carne picada e junte depois o sal e a pimenta, a raspa de limão, a gema de ovo, a farinha de mandioca ou o pão ralado, os dentes de alho ralados os esmagados num almofariz ou com um utensílio próprio e as ervas da provença. Misture tudo muito bem com a ajuda de uma colher de pau, até a mistura de despegar das paredes da taça e estar unida e uniforme. Faça depois bolinhas do mesmo tamanho e reserve.
Leve depois uma frigideira ao lume com um pouco de azeite e acrescente as almôndegas deixando-as ganhar cor. Acrescente o alho esmagado. ralado ou finamente picado e junte depois a polpa de tomate. Tempere com uma pitada de sal, junte o manjericão grosseiramente picado e deixe estufar um pouco até as almôndegas estarem cozinhadas, cerca de 10 minutos, mas depende do tamanho das almôndegas.
Sirva com abóbora esparguete assada (assei aberta ao meio e temperada com sal, pimenta e azeite durante cerca de 45m a 180ºC e depois “raspei” o interior com dois garfos ), ou se preferir com o clássico esparguete.


Bom Apetite!

Linguadinhos com Molho de Manteiga e Alho


Estes linguadinhos, que não são bem linguados, mas um outro parente, conhecido como línguas ou azevias (são mais pequeninos que os linguados!) vieram no nosso cabaz de peixe do Peixinho da Lota, juntamente com mais outras coisas como polvo, atum e peixe galo. Isto de morar numa cidade onde não há lota e ter entregue no conforto na nossa casa peixe de mar, já preparado, amanhado e embalado a vácuo, e pescado durante a noite, é um previlégio maravilhoso. (Para já a Peixinho da Lota faz entregas também em Viseu e Leiria, além de Coimbra!)
O cabaz chegou, e ao ver o peixe, mil receitas começam a surgir com o que se pode fazer com ele. Para as línguas - que ainda por cima são simples de arranjar para os miúdos - a ideia foi logo prepará-las num simples molho de manteiga e alho, e assim ficam prontas em menos de 15 minutos (porque são fininhas!) e ter assim uma refeição ideal para dias da semana. 
Aqui em casa todos gostaram bastante! Quando o peixe é bom e fresquinho, é preciso muito pouco!

Ingredientes para 4 pessoas:

 8 línguas (azevias) ou 4 linguados já amanhado
2 colheres de sopa de manteiga
sal e pimenta q.b.
3 dentes de alho
60g de manteiga
sumo de limão q.b.

Preparação:

Tempere o peixe com sal.
Leve uma frigideira grande ao lume com o azeite e a manteiga e deixe aquecer. Coloque depois o peixe na frigideira e deixe cozinhar cerca de 5 minutos. Vire depois o peixe e junte os dentes de alho ralados ou pisados num almofariz até estarem em pasta e envolva bem no molho de manteiga e azeite. Tempere também com um pouco de pimenta moída na hora e deixe cozinhar mais 2 ou 3 minutos. (Dependendo da grossura do peixe - e se usar linguado - , pode ter e cozinhar um pouco mais de cada lado, mas não deixe secar!)
Retire o peixe para o prato de servir e regue com o molho da frigideira. Junte umas gotas de sumo de limão e sirva de imediato.
Acompanhe com batatinhas cozidas e legumes a gosto.


Bom Apetite!

Entrecosto de Porco Preto com Laranja, Gengibre e Mel


Aos poucos entramos de vez no novo ano e novamente nas rotinas habituais. A ementa semanal já voltou a ser implementada em força, depois de nas ultimas semana do ano ter andado meia perdida entre festas, jantares e a aproveitar todas as sobras.
E uma das receitas da semana que passou foi exatamente este entrecosto meio agridoce, que todos gostaram cá em casa. 
Para nós acompanhamos com salada e “couscous” de couve flor preparado com passas, salsa, açafrão e azeitonas, mas para os miúdos, que de vez em quando torcem o nariz a estas coisas comeram tomate, cenoura ralada, alface e um pouco de massa.
Aqui fica a receita.

Ingredientes para 4 pessoas:

1kg de entrecosto de porco preto (ou outro, se preferirem) separado em ossinhos
sal e pimenta q.b.
3 dentes de alho
2 colheres de sopa de mel
1 pedaço de gengibre fresco
1 laranja
2 colheres de sopa de molho de soja
spring onions (ceboleta) para servir

Preparação:

Tempere o entrecosto com sal, pimenta, os dentes de alho laminados, o gengibre picadinho, o mel, o molho de sopa e o sumo e raspa da laranja. Envolva bem e deixe marinar.
Coloque depois numa assadeira - a carne e a marinada -  tape com papel de alumínio e leve ao forno previamente aquecido a 180ºC, durante cerca de 1h20.
Ao fim desse tempo retire o papel de alumínio, e de preferir deixe alourar um pouco sem o papel.
Sirva depois polvilhado com a ceboleta picada e acompanhe com uma salada de folhas verdes e outros acompanhamentos a gosto.


Bom Apetite!

Waffles de Aveia e Maçã (sem açúcar ou laticínios)


A Maria Benedita está quase a fazer 1 ano. E conta já com 6 meses de alimentação complementar em BLW. O que significa que não houve as sopinhas ou as papinhas tardicionais. Os alimentos são apresentados “inteiros”, com cortes específicos e adaptados a este “método” e à idade da criança e as suas competências a cada momento. Agora já começa a comer “sopas” e “papas”, mas sempre pela mão dela - com muita porcaria à mistura - porque um dos objetivos fundamentais do BLW é que a criança coma sozinha, ao seu ritmo e pela sua mão... O que acontece, é que ao não lhe oferecermos as papas e sopas convencionais, acabo a “inventar” outras formas de lhe oferecer os alimentos que fariam parte dos lanches. Em vez de papas de aveia, por exemplo, faço-lhe panquecas, waffles, “bolachas” e outro tipo de alimentos mais sólidos que ela seja mais capaz de comer sozinha.
E tudo o que faço para ela, acaba também a ser aprovado pelos irmãos e por nós, porque o BLW tem também este maravilhoso princípio de todos comerem o mesmo desde o momento que a criança começa com a alimentação complementar. E sim, a Benedita come o mesmo que nós, desde os 9 meses de idade. E acabo apenas a encontrar alternativas mais simples para ela para os lanches e pequenos almoços, para diversificar e também para variar da fruta, ovos, das bolachas de milho ou de arroz, do pão e do leite (adaptado).
Por isso, e apesar destas waffles terem sido preparadas a pensar na Maria Benedita e nos seus lanches e pequenos almoços, são cozinhadas para todos. Eu gosto das minhas com Maple Syrup ou mel e uns frutos vermelhos. Os miúdos gostam de colocar iogurte e banana por cima, e a Benedita costuma comer as dela assim mesmo, simples.
E como são uma receita para todas as idades, nada melhor do que a partilhar por aqui.

Ingredientes para cerca de 12 waffles :
(chávena usada com 225ml de capacidade)

2 chávenas bem cheias de farinha de aveia (flocos de aveia triturados até ficarem em farinha)
1 colher de sopa de fermento em pó
2 ovos
1 chávena de leite de aveia
3/4 de chávena de água (uso água com gás porque acho que as waffles ficam mais crocantes por fora)
1/4 de chávena de óleo de coco derretido ou óleo de grainha de uva
1 colher de sobremesa de canela em pó
1 maçã grande aos cubos

Preparação:

Numa taça misture a farinha de aveia, a canela e o fermento em pó. Reserve.
Numa outra taça misture os ovos com o leite de aveia, a água, o óleo de coco. Junte a mistura de líquidos às farinhas e envolva bem.
Descasque a maçã e corte-a em cubos pequenos. Junte também à massa. Deixe repousar 5 minutos.
Aqueça a máquina das waffles e coloque colheradas de massa no centro das chapas. Feche a máquina e deixe cozinhar, cerca de 5 minutos ou até as waffles estarem cozinhadas. Retire e repita até esgotar a massa.
Sirva as waffles simples  - no caso dos bebés - ou com o que mais gostar: maple syrup, mel, compotas, mistura de frutos, iogurte....
Nota: se não tiver máquina de waffles experimente fazer panquecas numa frigideira anti aderente.


Bom Apetite!

Caril de Romanesno, Couve flor e Pimento Vermelho com Caju



As refeições sem carne nem peixe continuam a ser uma “prioridade” cá em casa. Pelo menos uma vez por semana, idealmente duas.
Não tenho a mínima intenção de me tornar vegetariana e muito menos vegan. Compreendo e respeito a decisão de todos, mas prefiro uma alimentação onde também há lugar para carne e peixe. No entanto concordo com a diminuição do consumo das mesmas. E faz-me todo o sentido passar a comer carne de melhor qualidade, de animais de pasto, criados ao ar livre em vez de animais de produção intensiva. E peixe maioritariamente selvagem/ de mar, e ovos de galinhas “felizes”, criadas ao ar livre. Já o fazemos há alguns anos aqui em casa. Cada vez com maior consciência dos animais que comemos, e da forma como viveram, se alimentaram e foram criados, antes de nos vir parar ao prato. Continuamos a fazer refeições de carne e peixe, mas fazemos quase com que sejam o “acompanhamento”, em vez da componente principal. Com a cozinha vegan, vegetariana e até macrobiótica tenho aprendido novas formas de cozinhar vegetais e até algumas leguminosas, de maneira que elas sejam mais apelativas, com mais sabor e diferentes texturas, e ao mesmo tempo diminuimos gradualmente a quantidade de carne e peixe que comemos a cada refeição. Não insistimos muito com os miúdos para comerem a “carninha” e o “peixinho” todo, mas insistimos para que experimentem diferentes legumes e vegetais.
Ouço dizer que há uma moda de nos tornarmos vegetarianos ou vegans, Eu acho apenas que estamos a ganhar uma maior consciência daquilo que comemos todos os dias. Do tipo de animais que queremos comer e das implicações que isso tem nas nossas vidas.
Acho realmente que é mais sustentável até uma alimentação diversificada, do que uma alimentação baseada apenas em vegetais. Mas acho sobretudo que há lugar para tudo e para todos. E que uma refeição sem carne e sem peixe por semana é um excelente compromisso para uma nova consciência alimentar e para diversificar o que colocamos nos nossos pratos todos os dias.
E assim aqui fica a primeira receita sem carne nem peixe de 2019.

Ingredientes para 4 pessoas:

1/2 couve flor
1 couve romanesca pequena
1 pimento vermelho
1 lata de leite de coco (400ml)
1 colher de sopa de pó de caril
sal e pimenta q.b.
2 colheres de sopa de óleo de coco
2 dentes de alho
1 pedacinho de gengibre fresco
1 cebola
1 tomate pequeno
piri-piri a gosto
100g de caju previamente tostado no forno ou numa frigideira

Preparação:

Separe a couve flor em raminhos assim como a couve romanesca. Corte o pimento em cubos não muito pequenos. Reserve.
Pique a cebola juntamente com o alho e o gengibre e leve ao lume num tacho juntamente com o óleo de coco. Acrescente depois o pó de caril e o tomate picado ou triturado e deixe cozinhar em lume brando durante uns minutos até a cebola estar cozinhada. Junte depois os vegetais e envolva-os bem na mistura de caril. Acrescente o leite de coco, o piri-piri a gosto, se usar e tempere com sal e pimenta. Envolva bem e tape o tacho, deixando cozinhar em lume brando até os legumes estarem macios. 
Retire depois do lume e junte os cajus tostados, mesmo antes de servir.
Acompanhe com um pouco de arroz branco e se quiser um ovo estrelado ou escalfado.


Bom Apetite!

Imprimir