Rigatonni com Espargos Verdes, Cogumelos e Queijo Feta


Neste caminho da maternidade tem-me ensinado muitas coisas. Talvez a mais importante de todas seja a que nunca devemos questionar as opções dos outros pais. Cada um deverá saber o que é melhor para o(s) seu(s) filho(s) e são conversas que, quando existem opiniões/conceitos muito diferentes, geralmente não acabam muito bem. Já o tinha percebido muito antes de ter filhos, mas agora compreendo ainda melhor.
Talvez por isso goste pouco de responder a perguntas sobre alguns hábitos do Zé Maria. Porque eu faço o que acho ser mais correto para o meu filho, e que funciona melhor na nossa estrutura familiar. E faço-o agora, neste momento. Amanhã, não sei se direi ou farei a mesma coisa.
Quando a questão se prende com a alimentação é quando as observações são mais curiosas. “O que cozinhas para o Zé Maria, quando fazes aquelas coisas do blogue para vocês?” 98% das vezes ele come o mesmo que nós. Sim. Se o almoço é favas com chouriço e arroz branco ele come exatamente favas com chouriço e arroz branco. “Ai coitadinho a comer favas!” Comeu, gostou e repetiu. E não parava de pedir chouriço…. E também come polvo à lagareiro, que adora, e os bifinhos de peru com mozarella que coloquei esta semana blogue, o sumo de beterraba com laranja, o frango tandoori, ou os crepes de cogumelos, só para citar as receitas mais recentes. E come sempre bem? Não.
Há dias em que come muito bem. E outros que não quer. Exatamente a mesma coisa que já tinha comido e repetido de outras vezes. Se me preocupo? Não muito. Não quer comer não come. Mas não vou a correr preparar-lhe outra coisa. Porque come sempre muito bem a sopa e a fruta e se não comer tão bem ao almoço ou jantar, seguramente que come melhor na próxima refeição. Por aqui dispensamos as birras à hora da refeição. Não quer não come. Ponto.
Mas esta é a nossa filosofia, a nossa opinião, a nossa maneira de encarar a alimentação do nosso filho. Tal como continuamos sem lhe dar açúcar, ou muito menos lhe damos bolachinhas ou outras guloseimas para colmatar “ter comido mal”. Por outro lado não temos o mínimo problema de lhe dar tudo a provar. Queijos (que adora), enchidos, salmão fumado, caril e outras especiarias, favas, figos… Porque achamos importante que ele conheça além dos lombinhos de pescada e do bifinho com arroz. Mas não dou “sermões” a ninguém acerca do que fazem com a alimentação dos seus filhos.
Porque é inútil, porque no seu íntimo cada pai tem a convicção de que o que faz é realmente o mais acertado.
Por isso, e só por isso, ontem esta massa foi o nosso jantar. Dos 3. O Zé Maria só comeu a massa - e depois um prato de sopa e ainda uma pêra. (Valerá a pena ficar muito preocupada? Não me parece!)

Entretanto amanhã, sábado dia 23, pelas 15h30, que estarei na horta da Terra Fresca em Coimbra (Bencanta) para mais um Atelier de Culinária, desta vez dedicados a receitas variadas com fruta e e hortícolas. Para se inscreverem ou para mais informações geral.terrafresca@gmail.com

Ingredientes para 2 pessoas:

150g de massa rigatonni (ou outra massa curta à escolha)
6 espargos verdes frescos
8 cogumelos brancos
1 tomate pequeno
1/2 pimento vermelho
100g de queijo feta
azeite q.b.
sal e pimenta q.b.
tomilho fresco q.b.

Preparação:

Coza a massa em água a ferver, temperada de sal, até ficar al dente.
Entretanto prepare os espargos partindo-lhe as extremidades duras e cortando-os depois em pedaços. Limpe os cogumelos e corte-os em laminas e corte o pimento em cubinhos pequenos.
Leve uma frigideira ao lume com um pouco de azeite e junte o pimento em cubos. Deixe saltear uns minutos e acrescente depois os espargos e os cogumelos partidos. Tempere com um pouco de sal e pimenta e com as folhinhas de tomilho fresco e deixe cozinhar até os legumes estarem cozinhados mas ainda crocantes.
Assim que a massa estiver cozida escorra-a e junte-a à frigideira com os legumes. Envolva bem e junte um pouco mais de azeite.
Corte o tomate em cubinhos, assim como o queijo feta e envolva na massa.
Coloque numa taça ou saladeira e sirva.


Bom Apetite!

Quadrados Amanteigados de Framboesa


Não há dias certos para fazer bolos. Tem a ver com o estado de espírito, a vontade, ou apenas com a necessidade de gastar ovos ou de aproveitar o forno estar ligado a preparar outra coisa qualquer.
Mesmo em dias atarefados, em dias que estou mais cansada, ou mesmo logo depois do jantar ou ainda de manhã cedo, todas as alturas são ideais para fazer um bolo. Destes simples, sem cremes, coberturas, decorações.
Um bolo para comer à tarde, ao lanche, ou depois do almoço ou jantar a acompanhar o café, como a minha doce avó Cila adorava.
Para mim, quase todas as ocasiões são perfeitas para fazer e comer um bolo. É por isso que acho deveras engraçado, quando alguém me diz que não sabe como é que eu tenho tanta paciência para fazer bolos “ainda por cima grávida e com uma criança pequena em casa”.
Mesmo assim, ainda encontro paciência, vontade e gosto para ir para a cozinha.
A recompensa é mesmo poder comer a primeira fatia….

Entretanto é já este sábado, dia 23, pelas 15h30, que estarei na horta da Terra Fresca em Coimbra (Bencanta) para mais um Atelier de Culinária, desta vez dedicados a receitas variadas com fruta e e hortícolas. Para se inscreverem ou para mais informações geral.terrafresca@gmail.com


Ingredientes:

150g de framboesas frescas ou congeladas
200g de farinha
200g de manteiga
200g de açúcar
4 ovos
1 colher de chá de fermento em pó

Preparação:

Bata a manteiga com o açúcar até obter um creme homogéneo. Junte depois os ovos, um a um batendo bem entre cada adição. Junte depois a farinha e o fermento e mexa bem.
Acrescente por fim as framboesas e envolva-as cuidadosamente no preparado.
Unte e forre um tabuleiro retangular com papel vegetal, também untado, e espalhe a mistura pelo tabuleiro alisando bem.
Leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 40 minutos, até o bolo estar cozinhado e dourado.
Retire do forno e deixe arrefecer alguns minutos antes de retirar da forma.
Depois de completamente arrefecido corte em quadrados.



Bom Apetite!

Bifinhos de Peru com Mozarella, Tomate Seco e Manjericão com Cobertura de Tomate Fresco


Cá em casa começaram as arrumações de primavera. Uma necessidade de arrumar, organizar e “destralhar”. É incrível a quantidade de coisas menos necessárias que vamos acumulando. Os papéis sem utilidade que vamos guardando… E sabe bem ganhar coragem de mexer em gavetas e móveis e começar a separar, para depois ver tudo organizado.
As tardes tÊm sido quase todas ocupadas nesta tarefa, sendo que o jantar acaba por ser algo que se faça quase sozinho. E para isso nada melhor do que as receitas de colocar no forno. Assim sempre posso ir aproveitando o tempo enquanto este eletrodoméstico fabuloso, sem o qual eu acho que não conseguia passar, faz o resto.
O jantar vai-se fazendo e eu acabo as minhas arrumações e organizações sem grandes preocupações.
Das ultimas receitas destes dias saíram uns bifinhos de peru enrolados, com sabores frescos de primavera. Tomate, queijo e manjericão. Não há quem não resista a esta combinação!

Entretanto é já este sábado, dia 23, pelas 15h30, que estarei na horta da Terra Fresca em Coimbra (Bencanta) para mais um Atelier de Culinária, desta vez dedicados a receitas variadas com fruta e e hortícolas. Para se inscreverem ou para mais informações geral.terrafresca@gmail.com

Ingredientes para 2 pessoas:

4 bifinhos de peru
100g de queijo mozarella cortado em 4 palitos grossos
4 tomates secos conservados em azeite
8 folhinhas de manjericão fresco
sal e pimenta q.b.
azeite q.b.
2 tomates maduros

Preparação:

Coloque os bifes de peru numa tábua e, com a ajuda de um martelo de cozinha bata-os para ficarem fininhos. Tempere-os depois com um pouco de sal e pimenta. 
Sobre cada um dos bifinhos disponha 1 palito do queijo mozarella, 1 tomate seco e 1 folha de manjericão e enrole. Repita até ter 4 rolinhos.
Coloque depois os rolos num tabuleiro que vá ao forno  regue com um fio de azeite.
Entretanto corte os tomates em rodelas finas e disponha sobre os bifinhos enrolados de peru. Tempere com um pouco de sal e regue com mais azeite. Tape com papel de alumínio e leve ao forno, previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 30 minutos. Ao fim desse tempo retire o papel de alumínio e deixe cozinhar mais 10 a 15 minutos.
Antes de servir disponha as restantes folhas de manjericão sobre os bifinhos e acompanhe com fetuccini cozido e uma salada verde.


Bom Apetite!

Sumo de Beterraba com Laranja


Nada melhor do que um sumo natural. De manhã ao pequeno almoço ou num brunch de fim de semana, a acompanhar um almoço mais ligeiro, no lanche da tarde ou ao jantar. Um sumo preparado com fruta verdadeira e um pouco de água. Não precisa de ser “detox”, nem ter propriedades especiais. Basta que seja saboroso, refrescante e colorido. E que seja o complemento perfeito para a refeição que estamos a servir.
Uma mesa bem posta na varanda, no jardim ou no terraço, cheia de coisas boas e uns jarros cheios de sumo colorido são tudo o que precisamos para logo nos sentirmos mais felizes.
A combinação de laranja e beterraba pode parecer estranha. Mas há muitas outras à espera de serem inventadas, misturadas e saboreadas.
Mas uma coisa é certa. Já viram sumo de cor mais bonita?

Entretanto é já este sábado, dia 23, pelas 15h30, que estarei na horta da Terra Fresca em Coimbra (Bencanta) para mais um Atelier de Culinária, desta vez dedicados a receitas variadas com fruta e e hortícolas. Para se inscreverem ou para mais informações  geral.terrafresca@gmail.com.


Ingredientes para cerca de 1,5 litros:

1 beterraba com cerca de 200g
4 laranjas grandes e sumarentas
açúcar q.b. (opcional)
água q.b.

Preparação:

Lave bem a beterraba e embrulhe-a, sem a descascar, em papel de alumínio. Leve-a a assar em forno quente durante cerca de 1 hora ou até estar macia. (Não vale a pena ligar o forno apenas para assar a beterraba. Seria um enorme desperdício de energia. Aproveite para o fazer quando ligar o forno para fazer um bolo ou pão, ou assar carne ou peixe. Depois de assada a beterraba aguenta-se algum dias no frigorífico até ser consumida. Optar por cozer a beterraba em vez de a assar é totalmente diferente, uma vez que a beterraba assada se torna muito mais doce e com menos sabor a “terra” do que a cozida.)
Depois de a beterraba estar assada pele-a e corte-a em pedaços pequenos. Descasque as laranjas e corte-as também em pedaços.
Coloque a laranja e a beterraba no copo liquidificador e triture um ou dois minutos até obter uma mistura cremosa e espessa. (Se não tiver liquidificado pode usar a varinha mágica).
Misture depois a água até obter cerca de 1,5 litros de sumo. Verifique se necessita de açúcar(pessoalmente não acrescento), mexa bem e leve ao frigorífico.
Sirva bem fresco.


Bom Apetite!

Hamburguer com Queijo Roquefort em Pão de Cereais e Batata Doce Frita com Molho de Alho


É habitual que os jantares de domingo sejam “junk food”. Mais habitual ainda é que essa “junk food” tenha muito mais de “food” e muito pouco de “junk”. É feita em casa, de raiz, com ingredientes a sério.
Carne de qualidade picada e transformada em hamburguers. Pão de cereiais, queijo à escolha, alface e tomate biológicos da horta, batata doce e, porque tem de ter um bocadinho de “junk”, uma maionese para ir molhando as batatas…
Parece-me a mim que este é o culminar perfeito de um fim de semana de muito calor, que teve direito a grelhados, jantares com amigos que chegam e outros que vão, brunch numa esplanada com vista para a cidade e um jantar simples saboreado na varanda.

Ingredientes para 2 pessoas:

2 hamburguers de carne de vaca
4 fatias finas de queijo roquefort
2 pães de cereais
2 tomates maduros
algumas folhas de alface
maionese q.b.
1 dente de alho pequeno
1 colher de chá de salsa picada
3 batatas doces pequenas
sal e pimenta q.b.

Preparação:

Lave bem as batatas doce e corte-as em gomos. Seque-as bem e leve-as a fritar em óleo quente.
Entretanto tempere os hamburgueres e grelhe-os num grelhador ou chapa bem quente até que fiquem no ponto desejado. Quando estiverem quase prontos coloque sobre cada um deles duas fatias de queijo roquefort para que este derreta e amoleça um pouco.
Abra o pão de cereais ao meio e barre-o com um pouco de maionese. Sobre a maionese coloque um pouco de alface bem lavada e seca, e por cima umas rodelas de tomate. Disponha por cima o hamburguer e feche com a outra metano do pão.
Para o molho das batatas misture um pouco de maionese numa taça com o dente de alho ralado e a salsa picada e uma ou duas colheres de chá de água.
Assim que as batatas estiverem fritas escorra-as sobre papel absorvente e tempere-os com um pouco de sal.
Sirva ps hamburgueres com as batatas e o molho.


Bom Apetite!

Frango Tandori Assado no Tacho


Chegamos a mais uma sexta feira. O fim de semana à porta, e parece que com bom tempo. Tempo para ir à praia, passear, apanhar sol na varanda, ir à horta ou ao mercado, almoçar numa esplanada, fazer um churrasco, eu sei lá! Qualquer coisa que implique estar na rua, fora das 4 paredes de casa.
A inspiração para novas receitas mais indicadas para o verão e para a primavera começa a surgir. Há já uma folha de papel escrevinhada com mil e uma ideias para o tempo quente, para o churrasco e até para piqueniques.
Mas principalmente é altura para algum “relax”, para aproveitar o tempo bom, de pois do frio e da chuva e para refeições que nos lembrem paises e destinos mais quentes e exóticos. Como tandori e a índia.
Bom fim de semana!

Ingredientes para 2 pessoas:

1/2 frango (de preferência sem o partir em bocados)
125ml de iogurte natural
4 colheres de sopa bem cheias de tempero Tandori (à venda na área de comida internacional de alguns supermercados ou no Martim Moniz)
sal e pimenta q.b.
1 colher de chá de alho em pó
azeite q.b.
coentros frescos

Preparação:

Numa taça coloque o iogurte natural, o tempero tandori, sal e pimenta a gosto, o alho em pó e misture bem.
Entretanto leve um tacho grande ao lume (eu usei um tacho de ferro) com um pouco de azeite e aloure o frango de ambos os lados.
Retire do tacho e deixe arrefecer um pouco antes de barrar bem com a pasta de tandori e iogurte.
Volte a colocar o frango no tacho e junte um pouco de água para que não queime no forno.
Leve o tacho tapado ao forno previamente aquecido a 200ºC durante cerca de 30 minutos.
Ao fim desse tempo retire a tampa do tacho (se necessário vá acrescentando um pouco mais de água) e deixe cozinhar durante mais 30 a 40 minutos, até o frango estar cozinhado e dourado.
Retire do tacho e corte-o em pedaços antes de servir, polvilhando com os coentros.
Acompanhe com uma salada e arroz branco.


Bom Apetite!

Creme de Acelgas e Batata Doce


Há quem diga que a sopa não é para comer com o tempo quente. Pessoalmente também prefiro a sopa no tempo mais frio, e não com este calorzinho que se tem feito sentir nestes últimos tempos.
Mas como diz o ditado, “a sopa é a tranca da barriga”, e quase que faz uma refeição com pouco mais a acompanhá-la. As propriedades nutritivas da sopa também já estão mais do que faladas e estudadas e sabe-se que devemos sempre começar a refeição com um belo prato de sopa, cheia de legumes, vitaminas e sais minerais. Que ajuda a saciar a fome e a comermos depois menos, sendo que nos pode ajudar a controlar o peso.
Há muitas vantagens na sopa, mas mesmo assim, muitas vezes deixamo-nos esquecer em como ela é importante na nossa alimentação. Cá em casa há quase sempre sopa. E nem podia deixar de ser assim porque o pequeno Zé Maria adora sopa e pede sempre “sopinha”, que come com imenso prazer.
Cá em casa a sopa raramente leva batata, sendo esta substituída pela courgete ou couve flor. E gosto de colocar batata doce porque lhe dá um sabor diferente e o Zé Maria gosta muito.
Hoje a sugestão é uma sopa. Com acelgas da horta.

Ingredientes para 4 pessoas:

1 molho de acelgas (cerca de 300g)
1 batata doce grande
1 cebola
1 courgete
sal e azeite q.b.
pevides de abóbora para servir

Preparação:

Lave bem as acelgas e os restantes legumes. Corte as adelgas numa juliana grossa - talos incluídos - e reserve.
Descasque a batata e a cebola e corte-as em pedaços, assim como a courgete (à qual não costumo retirar a casca).
Leve um tacho ao lume com um fio de azeite e deixe aquecer um pouco. Acrescente depois a batata doce, a cebola e a courgete e deixe saltear um pouco no azeite. Junte depois as adelgas e deixe-as começar a murchar. 
Cubra os legumes com água a ferver e tempere com um pouco de sal. Deixe cozinhar em lume brando até os legumes estarem macios.
Triture depois a sopa até obter um creme e, se necessário acrescente mais água a ferver, até obter a consistência desejada sem que fique um creme ralo e retifique de sal.
Antes de servir polvilhe cada prato ou taça com umas pevides de abóbora.


Bom Apetite!

Imprimir